sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

Novo Banco apresenta solução para lesados com papel comercial do GES

O Novo Banco apresentou ao Banco de Portugal uma proposta técnica para os clientes lesados com papel comercial do Grupo Espírito Santo. A SIC sabe que a solução passa por um plano de pagamentos a médio prazo, num máximo de 10 anos, à imagem da solução que foi encontrada para a dívida do próprio BES.

A proposta é complexa mas os clientes podem vir a recuperar, pelo menos, metade do dinheiro investido, ao fim de alguns anos. (Arquivo)

A proposta é complexa mas os clientes podem vir a recuperar, pelo menos, metade do dinheiro investido, ao fim de alguns anos. (Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

Numa primeira fase, os clientes trocam os títulos por dívida subordinada do Novo Banco e estes novos títulos ficam depositados no Novo Banco, a render juros. O capital será pago em prazos alargados, mas com condições.

O pagamento fica dependente da recuperação de, pelo menos, uma parte do valor de mercado do papel comercial das empresas do Grupo Espírito Santo.
 
A proposta é complexa mas os clientes podem vir a recuperar, pelo menos, metade do dinheiro investido, ao fim de alguns anos

Entre as várias propostas em cima da mesa, esta é considerada a mais viável e por isso está a ser analisada pelas equipas de Stock da Cunha e de Carlos Costa.
  • Lesados do papel comercial do GES protestam em Viseu
    3:22

    Queda do BES

    Um balcão do Novo Banco em Viseu foi hoje invadido por dezenas de pessoas. O protesto seguiu depois para o Banco de Portugal em Viseu. Invadiram também as instalações do BCP e do Montepio e voltaram à agência do antigo BES. Exigem o dinheiro que foi aplicado em papel comercial do Grupo Espírito Santo. Há quem tenha perdido milhares de euros ou todas as poupanças de uma vida.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.