sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

Clientes do BES querem "reunião urgente" com regulador suíço sobre Banque Privée Espírito Santo

A Associação de Defesa dos Clientes Bancários (ABESD) solicitou para esta manhã uma "reunião urgente" à entidade reguladora do mercado suíço sobre o papel comercial vendido nos balcões em Portugal do Banque Privée Espírito Santo, cujo agendamento ainda aguarda.

(Arquivo)

(Arquivo)

Denis Balibouse / Reuters

"Segundo informações obtidas, a FINMA irá responder a este pedido de reunião, contudo ainda não foi possível confirmar a disponibilidade para receber hoje os representantes da ABESD", refere a associação em comunicado.

O objetivo do encontro, adianta, é "apresentar institucionalmente a associação e quem a compõe, rever os dados públicos sobre a situação que levaram ao colapso do grupo BES/GES (Banco Espírito Santo/Grupo Espírito Santo), ver a forma de os associados reaverem os seus investimentos e avaliar uma estratégia para que não existam mais perdas futuras no sistema bancário que atinjam os clientes não qualificados".

"A ABESD reitera e recorda que o Banco Privée Espírito Santo (BPES) era uma entidade bancária do universo do Grupo Espírito Santo [GES], que detinha balcões em Portugal, tendo realizado a venda de papel comercial e de outros produtos financeiros de forma irregular", sustenta a associação, salientando que "o BPES, face à sua presença geográfica em Portugal, era também uma entidade sobre a supervisão do Banco de Portugal".

Criada em julho de 2014 na sequência do incumprimento do grupo BES/GES em retornar os investimentos realizados pelos clientes, a ABESD conta atualmente com 110 associados descritos como "clientes não qualificados" no universo bancário do grupo Espírito Santo. 

Lusa
  • As mulheres na clandestinidade durante o Estado Novo
    7:32

    País

    Não se sabe quantas mulheres portuguesas viveram na clandestinidade durante o Estado Novo, mas estiveram sempre lado a lado com os homens que trabalhavam para o Partido Comunista na luta contra a ditadura. Aceitavam serem separadas dos filhos e mudarem de identidade várias vezes ao longo dos anos. A história de algumas destas mulheres estão agora reunidas num livro que acaba de ser lançado.