sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

Centenas de emigrantes lesados do BES portugueses voltaram às ruas de Paris

Os emigrantes voltaram a exigir, hoje, em Paris, o reembolso das poupanças que investiram no antigo BES, numa marcha que juntou 200 pessoas segundo a polícia, 350 segundo a organização.

Arquivo

Arquivo

FERNANDO VELUDO/LUSA

A multidão, que se concentrou às 10:00 locais na Avenue Georges Mandel, em frente a uma das agências do banco, fez uma marcha de cerca de dois quilómetros até à Embaixada de Portugal, na Rue de Noisiel, no décimo sexto bairro da capital francesa, tendo, depois, uma delegação sido recebida na Embaixada portuguesa.

"Queremos o nosso dinheiro" foi o principal 'slogan' deste segundo protesto em menos de um mês em Paris, depois de o primeiro, a 30 de maio, ter reunido cerca de duzentos portugueses na capital francesa.

A marcha de hoje foi organizada pelo "Movimento Emigrantes Lesados do BES/ NOVO BANCO (MEL) e já estão previstas novas manifestações para 10 de agosto em Lisboa, 26 de setembro em Paris e todos os últimos sábados, a partir de outubro, na capital francesa, se até lá as poupanças não forem desbloqueadas, explicou à Lusa Amélia Reis, de 57 anos, antiga ama dos sobrinhos de Ricardo Salgado e uma das organizadoras do protesto.

Manuel Reis Marujo, de Valpaços, disse à Lusa estar à espera de recuperar os 370 mil euros que investiu no BES: "A minha situação é que estou com muitas dificuldades, estão sempre a fazer promessas desde o mês de agosto. O meu dinheiro continua a estar bloqueado. São 370 mil euros que tenho lá bloqueados. Até à data respondem-me sempre com a mesma coisa que não tem pés nem jeito."

António Lopes está há 51 anos em França e está à espera de reaver as poupanças de 180 mil euros. "Esse dinheiro custou-me a ganhar, a mim e às pessoas que estão aqui na manifestação. É muito triste", disse, descrevendo ter "vergonha de ser português".

Maria Rosa, natural do Soito, na Guarda, está desde 1963 em França e apontou o dedo ao antigo BES e ao governo: "Roubaram-nos tudo a todos. São uns ladrões os bancos. O que é que hei de fazer para recuperar o nosso dinheiro? Eles são uns ladrões, tanto o governo como os do banco!"

Sérgio da Rocha, oriundo de Viana do Castelo, declarou não entender porque não é dada aos emigrantes "uma resposta concreta", indicando que "já lá vão nove, dez meses".

"Eles não encontram solução para nós, dizem que pagam, mas quando? Quando é que nos vão pagar? Isto são as economias que nós temos cá. Eu gostava que o nosso primeiro-ministro visse isto que aqui se está a passar e que nos diga como é que nós, pais, devemos incentivar os nossos filhos a pouparem e a investirem em Portugal", declarou. 

Maria Adelina, que vive em França há 40 anos, manifesta-se pela segunda vez: "É muito triste estar aqui outra vez. Desde a primeira vez que estive aqui na manifestação, nada se arranjou. Continuamos a receber os extratos das contas de Portugal onde está zero, zero, zero. Como é que eu hei de ir de férias? Com que alegria é que eu vou de férias ao meu país?", questionou.

António Celestino Esteves, que vive em França há 41 anos, esteve a recolher assinaturas para um abaixo-assinado para enviar à CMVM, ao Banco de Portugal e para o Novo Banco.

Presente na manifestação esteve também Hermano Sanches Ruivo, vereador da Câmara de Paris, com nacionalidade portuguesa e francesa, em nome do "problema dessas oito mil famílias que ficaram lesadas".

"É uma forma de expressar um apoio e um alerta porque o que aconteceu em Portugal também pode acontecer em França. Essas famílias estão há mais de um ano à espera, nós estamos a falar dos nossos pais basicamente. É uma justa causa que merece não só o apoio de todos os políticos portugueses mas também dos eleitos franceses que têm uma ligação a Portugal", afirmou Hermano Sanches Ruivo.

Os manifestantes consideram ter sido enganados no momento da abertura das contas, afiançando que lhes foi prometido um depósito a prazo, o qual teria sido transformado em ações preferenciais, como o "Poupança Plus", "Euro Aforro", "Top Renda" e "EG Premium".



Lusa
  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.