sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

Novo Banco com prejuízos de 251,9 milhões de euros no 1º semestre

O Novo Banco registou prejuízos de 251,9 milhões de euros no primeiro semestre, mas excluindo fatores de natureza não recorrente o resultado foi negativo em 188,9 milhões de euros, anunciou esta segunda-feira a instituição.

O resultado financeiro ascendeu a 214,7 milhões de euros e os serviços a clientes a 193,2 milhões de euros. (Arquivo)

O resultado financeiro ascendeu a 214,7 milhões de euros e os serviços a clientes a 193,2 milhões de euros. (Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

Entre os fatores de natureza não recorrente está a imparidade relativa à Pharol SGPS/Oi, no montante de 55,4 milhões de euros, a reavaliação de passivos, de 59,4 milhões de euros, as provisões para outros ativos e contingências de 59,4 milhões de euros negativos e os custos com reformas antecipadas e indemnizações, de 7,6 milhões de euros, de acordo com informação divulgada pela instituição financeira.

O resultado financeiro ascendeu a 214,7 milhões de euros e os serviços a clientes a 193,2 milhões de euros.

A margem financeira de 214,7 milhões foi "negativamente afetada pela anulação contabilística de juros de grandes operações contratadas antes da Resolução [do Banco de Portugal] e com problemas de cobrabilidade", refere a instituição.

E adianta que o impacto negativo desta anulação contabilística de juros de grandes operações contratadas pelo antigo BES foi de 103 milhões de euros antes de impostos.

O produto bancário comercial foi de 407,9 milhões de euros e o produto bancário atingiu os 414,6 milhões de euros.

"Os depósitos de clientes aumentam 2,3 mil milhões de euros no primeiro semestre de 2015 (6,5 mil milhões de euros desde setembro de 2014), totalizando 28,9 mil milhões de euros, atingindo no segundo trimestre, em base comparável, o valor mais alto de sempre na atividade doméstica", refere, em comunicado.

O rácio de solvabilidade Core Tier 1 passou de 9,5% para 9,4%. O ativo reduziu-se em 3,6 mil milhões de euros (6,9mMEuro em 2014).

O relatório enviado à CMVM refere ainda que "a recuperação dos recursos de clientes tem permitido reduzir a exposição ao BCE e alterar a estrutura de financiamento, na qual estes recursos representavam aproximadamente 68% do financiamento do balanço no final do primeiro semestre".

"Nesta data, o financiamento obtido junto do BCE era de 5,9 mil milhões de euros, o que representa uma redução de 2,6 mil milhões de euros face a dezembro", lê-se no documento.

O Novo Banco explica que, "considerando os depósitos em bancos centrais, o financiamento líquido junto do BCE era de 4,4 mil milhões de euros em 30 de junho (o que representa uma redução de 4,5 mil milhões de euros face ao balanço de abertura e de 3,4 mil milhões de euros face a dezembro de 2014)".

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.