sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

Prazo para emigrantes aceitarem proposta do Novo Banco termina hoje

O prazo para os clientes não residentes que subscreveram séries comerciais sobre ações preferenciais comercializadas pelo BES se pronunciarem sobre a solução comercial proposta pelo Novo Banco para resolver o problema termina hoje à meia-noite.

Arquivo

Arquivo

MÁRIO CRUZ/LUSA

A solução comercial proposta pelo Novo Banco prevê a assinatura prévia dos clientes para que o Novo Banco e o Credit Suisse possam anular os veículos financeiros. Só depois será possível avançar com a proposta que garante pelo menos 60% do capital investido, e liquidez se essa for a opção, assim como um depósito anual crescente a seis anos, que prevê recuperar no mínimo 90% do capital investido.

No final de agosto, o Novo Banco revelou que mais de 50% dos emigrantes já tinham aceite a proposta, o que corresponde a mais de 3.500 dos 7.000 clientes. Ao total dos clientes em causa correspondem aplicações no valor global de 720 milhões de euros.

A Lusa solicitou ao Novo Banco a informação mais recente sobre o nível de adesão, mas fonte oficial da instituição financeira disse que a entidade não fala sobre o assunto até os números estarem completamente fechados, o que só deverá acontecer mais para meados da próxima semana.

No início do mês, a CMVM informou que o Novo Banco ia enviar um documento informativo simplificado com a solução comercial que o Novo Banco propôs aos clientes que compraram produtos BES, para reaverem as poupanças, até ao dia 08 de setembro.

"Todos os clientes terão a possibilidade de tomar uma decisão, incluindo a de reformular a sua decisão original, desde que a respetiva comunicação seja recebida no Novo Banco até às 24:00 horas do dia 18 de setembro de 2015", escreveu na altura o supervisor do mercado de capitais português.

Na altura, o Movimento dos Emigrantes Lesados (MEL) reagiu e considerou que a solução comercial que o Novo Banco propôs aos clientes não se adequa ao seu perfil de risco, sendo demasiado complexa.

A entidade criticou ainda que o Novo Banco peça aos clientes que aceitam essa proposta que "reconheçam que não compraram depósitos, mas ações preferenciais", naquilo que considerou uma confissão para evitar processos em tribunal.

Lusa

  • Venda do Novo Banco adiada para 2016
    1:43

    Queda do BES

    O Banco de Portugal terminou as negociações para a venda do Novo Banco mas sem acordo com os três candidatos, o que o que leva a um adiamento para 2016. Os chineses da Fosun já reagiram à decisão do Banco de Portugal e copmpreendem as razões que dizem ser norteadas pela redução da incerteza quanto às necessidades de capital do Novo Banco.

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.