sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

Novo Banco representa 80% das falhas de capital detetadas em nove bancos pelo BCE

Os nove bancos que participaram este ano nos testes de 'stress' do Banco Central Europeu (BCE) apresentaram falhas de capital acumuladas de 1741 milhões de euros, sendo que 80% são atribuídas ao português Novo Banco.

Entre os nove bancos analisados, o Novo Banco foi o que teve pior desempenho, com rácio de capital de 2,4% e insuficiências de capital de 1.398 milhões de euros. (Arquivo)

Entre os nove bancos analisados, o Novo Banco foi o que teve pior desempenho, com rácio de capital de 2,4% e insuficiências de capital de 1.398 milhões de euros. (Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

O ano passado decorreu o grande 'exame' aos bancos da zona euro, quando a entidade liderada por Mario Draghi avaliou 130 bancos de 22 países europeus antes de assumir diretamente a supervisão única das entidades consideradas significativas.

Assim, este ano apenas foram feitos testes de 'stress' a oito bancos que entretanto foram considerados significativos e ao Novo Banco, uma vez que apenas tinha sido criado em agosto após a resolução que ditou o fim do BES.

Segundo os resultados hoje divulgados pelo BCE, todos os bancos cumpriram o rácio de capital mínimo de 8% no cenário base, o mais provável, já no cenário adverso (em que o balanço de cada banco é sujeito a choques negativos) cinco instituições ficaram abaixo do mínimo de 5,5%. No caso de Portugal, o pior cenário implica uma queda do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,8% no total de 2016 e 2017 e uma taxa de desemprego acima de 14%.

Entre os nove bancos analisados, o Novo Banco foi o que teve pior desempenho, com rácio de capital de 2,4% e insuficiências de capital de 1.398 milhões de euros.

Nos austríacos Sberbank Europe e VTB Bank foram identificadas falhas de capital 138 e 103 milhões de euros, respetivamente, no banco público francês Agence Française de Développement 96 milhões de euros e no maltês Mediterranean Bank seis milhões de euros em falta.

Entre os bancos que cumpriram as exigência dos BCE, o que apresentou melhor resultado foi o luxemburguês JP Morgan, com rácio de capital de 31,9% no pior cenário, enquanto o finlandês Kuntarahoitus Oyj teve 20,8% e o esloveno Unicredit 14,2%, bem acima do exigido.

No total, as insuficiências de fundos próprios detetadas foram de 1.741 milhões de euros, sendo 80% da responsabilidade do Novo Banco. A instituição portuguesa tem agora nove meses para suprir as falhas de capital detetadas.

Em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o Novo Banco garantiu que os testes de 'stress' não alteram a sua atividade, que continuará "com plena normalidade e sem perturbações" para depositantes e restantes clientes.

Para o Banco de Portugal, os resultados estão "genericamente alinhados com as expectativas e refletem a natureza específica de banco de transição", que é o Novo Banco.

Também um analista de banca ouvido pela Lusa, que preferiu não ser identificado, considerou que os resultados "não foram inesperados" e que "grave" seria se tivessem sido detetadas falhas de capital no cenário base.

Para o futuro, a administração liderada por Stock da Cunha vai apresentar um plano de reorganização, de onde irá constar a alienação de ativos, como a seguradora GNB Vida e provavelmente operações no estrangeiros, com o analista a considerar que também é provável uma redução na atividade doméstica, com fecho de balcões e saída de pessoal.

Ainda assim, essas reestruturações não deverão ser suficientes para cumprir as necessidades de capital e o Banco de Portugal anunciou hoje que vai retomar "de imediato" o processo de venda do Novo Banco.

O mesmo analista considerou que a entrada de um privado pode passar por um aumento de capital e que "não é líquido que o Fundo de Resolução saia do Novo Banco em 2016", apesar de dever reduzir a sua participação.

O Novo Banco, que foi criado no verão do ano passado, após a medida de resolução que ditou o fim do Banco Espírito Santo (BES), é detido a 100% pelo Fundo de Resolução bancário.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.