sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

Encontro de lesados do BES junto ao Novo Banco por "uma nova via no sistema financeiro"

A Associação dos Indignados e Enganados do Papel Comercial do grupo GES vai realizar hoje um encontro junto à sede do Novo Banco, em Lisboa, com a intenção de lutar por "uma nova via de mudança no sistema financeiro português".

(Arquivo)

(Arquivo)

FERNANDO VELUDO/ LUSA (Arquivo)

Em comunicado, os lesados do papel comercial do grupo Espírito Santo (GES) vendido aos balcões do Banco Espírito Santo (BES) convidam os "atuais e eventuais lesados do sistema financeiro, e demais cidadãos, para um encontro por uma nova via, uma via de mudança no sistema financeiro português".

Para a associação, "urge limitar os poderes de supervisão do Banco de Portugal, pelo risco de condicionar e de aprisionar o regime democrático de 10,5 milhões de cidadãos às idiossincrasias e taticismos de uma só pessoa -- O Governador do Banco de Portugal".

A Associação dos Indignados e Enganados do Papel Comercial (AIEPC) acrescenta que quem se juntar ao encontro está a "evitar a destruição de recursos, a inação, e o incumprimento de garantias" dadas pelo Banco de Portugal "aos clientes".

O presidente da AIEPC, Ricardo Ângelo, que assina o comunicado, diz confiar "na mudança decisiva do enquadramento global, na mudança do 'arco da governação' e na moralização do próprio sistema" ao fim de quatro anos "de descrença, de injustiças, de más decisões nas vendas do património público e na obliteração de três dezenas de biliões de euros de dinheiro dos contribuintes, aforradores e acionistas, perdidos no sistema financeiro nacional".

Lusa

  • Veio para Portugal para estar mais perto da natureza mas o fogo levou-lhe tudo
    4:59
  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão