sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

Emigrantes lesados do BES vão processar governador do Banco de Portugal

Mais de 300 emigrantes lesados do BES vão interpor uma ação administrativa contra o governador do Banco de Portugal (BdP), disse o advogado António Pereira de Almeida à agência Lusa.

FERNANDO VELUDO/ LUSA

A ação vai dar entrada no Tribunal Administrativo "nos próximos dias" e vai assemelhar-se ao processo coletivo contra o governador do Banco de Portugal, contra o Banco de Portugal e contra o Estado português, interposto em outubro de 2014 também no Tribunal Administrativo, por parte "de mais de 600 acionistas e titulares de obrigações subordinadas do BES".

"Esta ação é dos emigrantes que também foram lesados pelas falhas graves de supervisão e declarações enganosas do governador do Banco de Portugal", explicou o advogado, precisando que os fundamentos do processo são os mesmos da ação coletiva que "está a correr há mais de um ano".

Pereira de Almeida especificou que esses fundamentos são as "falhas graves de supervisão que permitiram que acontecesse o que aconteceu no BES e declarações completamente irresponsáveis do governador do Banco de Portugal que 15 dias antes da operação de resolução garantia que o banco estava mais do que sólido e que tinha uma almofada de segurança".

O advogado falava à Lusa no dia em que o Jornal de Negócios noticia que "são pelo menos 70 as ações judiciais que vários clientes não residentes do antigo Banco Espírito Santo colocaram contra Eduardo Stock da Cunha, o presidente do Novo Banco, desde o início de dezembro".

À Lusa, o sócio da Pereira de Almeida & Associados declarou hoje que "desde novembro entraram mais de 200 processos" de emigrantes lesados do BES nos tribunais cíveis contra o Banco Espírito Santo [BES], o Novo Banco e o presidente do Novo Banco Stock da Cunha, com o objetivo de pedir "uma indemnização equivalente ao capital investido, mais os juros, mais os danos morais".

"A ação contra Stock da Cunha é pelo facto de ele se ter recusado a fazer o pagamento de uma dívida efetiva do Novo Banco, com prejuízos gravíssimos para os emigrantes que perderam todas as aplicações de uma vida inteira de trabalho e de sacrifício e por ter convencido as pessoas a assinar um acordo complexíssimo e desfavorável com pressões efetivas e telefonemas", explicou.

António Pereira de Almeida acrescentou que "não há nenhuma razão jurídica para que Stock da Cunha não efetue o pagamento às pessoas que foram enganadas [pelo ex-BES] e cuja responsabilidade transitou seguramente para o Novo Banco", lembrando que os emigrantes pensavam subscrever depósitos a prazo "e não ações de umas sociedades 'offshore' com sede na Ilha Jersey".

"É certo que o governador do Banco de Portugal diz que não transitou, mas o governador do Banco de Portugal não manda em Stock da Cunha que, ao não efetuar o pagamento, assume a responsabilidade efetiva e pessoal por um ato que pratica de lesão de terceiros", continuou.

Por outro lado, o advogado Nuno Vieira disse à Lusa que vai avançar "com o procedimento cautelar para impedir a venda do banco" e que está "neste momento a preparar uma ação administrativa para impugnar a deliberação de 29 de dezembro", em que o BdP decidiu retransmitir as obrigações seniores para o 'banco mau'.

"O objetivo dessa ação é garantir que os direitos dos emigrantes estão no Novo Banco e que, de nenhuma forma, podem passar para o banco mau, uma vez que o Banco de Portugal não tem o poder de retransmissão de ações judiciais. Um ativo ou um passivo ou uma ação judicial que foi criada no Novo Banco, já após a resolução, não pode ser devolvida ao BES porque nunca esteve lá. É absurdo, ilegal e até uma criancice", concluiu.

Helena Batista, porta-voz do Movimento dos Emigrantes Lesados do BES/Novo Banco, disse à Lusa que "os emigrantes estão revoltados com a deliberação de 29 de dezembro", considerando que "ainda por cima querem impedir [os lesados] de os processar".

Nuno Vieira explicou, ainda, que os advogados dos emigrantes lesados devem reunir-se em breve para "fazer uma estratégia conjunta" e criar uma "equipa negocial fortíssima", acrescentando que uma associação dos emigrantes lesados vai ser oficializada em breve.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.