sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

Ações do BES foram excluídas da bolsa

As ações do BES foram excluídas da bolsa, um ano e meio depois da resolução do banco. As negociação dos títulos estava suspensa desde agosto de 2014, na sequência da medida aplicada pelo Banco de Portugal.

Em Portugal, estão a correr um total de 337 processos judiciais, dos quais 95 já existiam antes de 3 de agosto de 2014, dia da resolução do BES, e 242 iniciados já depois desta data. (Arquivo)

Em Portugal, estão a correr um total de 337 processos judiciais, dos quais 95 já existiam antes de 3 de agosto de 2014, dia da resolução do BES, e 242 iniciados já depois desta data. (Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

Ao longo dos últimos meses a negociação das ações foi sucessivamente suspensa. Agora os títulos abandonam de vez a bolsa, por decisão da CMVM.

Relembre-se que as últimas contas do BES, referentes a dezembro de 2014, apresentavam um "buraco" superior a 2.600 milhões de euros.

  • José Sócrates terá favorecido o Grupo Espírito Santo
    2:20

    Operação Marquês

    O Ministério Público suspeita que José Sócrates recebeu luvas do Grupo Espírito Santo. Os pagamentos terão sido feitos a troco de decisões políticas que favoreceram negócios do império de Ricardo Salgado. Em causa poderá estar, por exemplo, o chumbo indireto da OPA da Sonae à Portugal Telecom, em 2006. Contactado pela SIC, Sócrates negou ter alguma vez favorecido o Grupo Espírito Santo e garantiu que nunca foi confrontado com essa suspeita. O ex-primeiro-ministro reafirma que não indicou qualquer sentido de voto à Caixa Geral e sublinha que a única vez que usou a goldenshare foi para travar a venda da Vivo, contra a vontade do Grupo Espírito Santo. Conntactada pela SIC, a assessoria de imprensa de Ricardo Salgado registou o pedido de reação, mas ainda não teve tempo útil para enviar qualquer comentário.

  • Sócrates nega favorecimento ao Grupo Espírito Santo
    2:19

    Operação Marquês

    O Ministério Público suspeita que José Sócrates recebeu luvas do Grupo Espírito Santo. Os pagamentos terão sido feitos a troco de decisões políticas que favoreceram negócios do grupo. Em causa poderá estar, por exemplo, o chumbo indireto da OPA da Sonae à Portugal Telecom, em 2006. Contactado pela SIC, Sócrates negou alguma vez ter favorecido o Grupo Espírito Santo e garantiu que nunca foi confrontado com essa suspeita. O ex-primeiro-ministro reafirma que não indicou qualquer sentido de voto à Caixa Geral e sublinha que a única vez que usou a goldenshare foi para travar a venda da Vivo, contra a vontade do Grupo Espírito Santo. Em comunicado, os advogados do antigo banqueiro vêm dizer que a notícia sobre um alegado favorecimento do GES, por intervenção do Ricardo Salgado, junto de entidades políticas, é absolutamente falsa.

  • O Nokia 3310 está de volta
    1:16