sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

Lesados do BES protestam hoje em Lisboa

A Associação de Lesados de Papel Comercial (AIEPC) do Grupo Espírito Santo (GES) realiza hoje um novo protesto em Lisboa, com os manifestantes a fazerem um "périplo" por agências dos bancos espanhóis apontados como potenciais compradores do Novo Banco.

MANUEL DE ALMEIDA

O objetivo da AIEPC é "alertar os possíveis compradores do Novo Banco para as consequências da não resolução da problemática do papel comercial" do Grupo Espírito Santo (GES).

Desde que o Banco Espírito Santo (BES) foi alvo de uma medida de resolução, no verão de 2014, que clientes do retalho detentores de papel comercial do GES, que compraram os títulos aos balcões do BES, têm vindo a desenvolver várias ações com vista a recuperar o dinheiro investido.

De acordo com as informações recolhidas pela Lusa, são atualmente 2.040 os subscritores de papel comercial que reclamam cerca de 400 milhões de euros.

Sobre o protesto de hoje, cujo arranque está marcado para as 11:30 (hora de Lisboa) junto à sede do Novo Banco, a associação que representa estes clientes que se sentem lesados diz que este será apenas "um ensaio de como serão os protestos caso os bancos espanhóis comprem o Novo Banco e o problema não esteja resolvido", uma vez que garantem que "nunca se resignarão nem nunca deixarão de lutar pelas suas poupanças".

Os manifestantes voltam a dizer que têm notado uma "abertura positiva" pela parte do atual Governo para resolver o seu problema, mas dizem que não baixarão os braços "até essa intenção estar devidamente formalizada".

Depois de o processo de venda do Novo Banco ter sido suspenso em setembro passado, foi relançado formalmente já este ano.

O Santander Totta, que foi um dos interessados na primeira tentativa de venda do Novo Banco, escusou-se a semana passada a comentar especificamente se irá concorrer outra vez ao novo processo de alienação daquela instituição.

Já o BPI também foi parco na informação, mas disse que vai voltar a estudar as condições de venda, tal como fez no primeiro concurso.

Lusa

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Reservas de viagens na Páscoa e no verão aumentaram
    1:19

    Economia

    As reservas de viagens no período da Páscoa e do verão aumentaram este ano, tanto para o estrangeiro como para dentro de Portugal. O Algarve, a Madeira e os Açores continuam a ser os destinos de eleição. Os portugueses estão também a marcar férias com mais antecedência, uma das receitas para conseguir melhores preços.

  • Escada rolante inverte sentido e varre dezenas de pessoas
    1:15
  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.