sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

Lesados do papel comercial do BES acreditam em solução até ao final de fevereiro

O presidente da direção da Associação dos Indignados e Enganados do Papel Comercial (AIEPC) do Grupo Espírito Santo (GES) mostrou-se hoje convicto de que o Governo vai encontrar até ao final de fevereiro uma solução para os lesados.

JOS\303\211 SENA GOUL\303\203O

"O Governo do PS [liderado por António Costa] tem o mérito de conversar com as pessoas e só assim se consegue apreender a realidade. Existe boa vontade, que antes nunca houve, e que vai com certeza levar a um bom fim. Acreditamos que até ao fim deste mês isso vai ser possível", afirmou Ricardo Ângelo, durante uma manifestação que começou esta manhã em Lisboa, em frente à sede do Novo Banco, junto à Avenida da Liberdade.

Ricardo Ângelo disse ainda que "nas últimas três semanas houve mais conversas com os lesados do que em mais de um ano com o anterior Governo".

Os lesados acreditam que vão encontrar em breve uma solução também porque dizem contar com o apoio do Presidente da República eleito, Marcelo Rebelo de Sousa.

"Temos apoio do futuro Presidente e do Governo. Falta apenas boa vontade e assinar os papéis, pois estamos fartos de intenções", comentou.

A manifestação de hoje - que a AIEPC classificou como a "maior de sempre" de lesados do GES - contou com a presença de centenas de pessoas, a maioria residente no norte do país.

"Este protesto é um ensaio ao que deverá acontecer caso o problema do papel comercial não seja resolvido e é uma forma de alertar os futuros compradores do Novo Banco, que serão com certeza espanhóis, para os protestos que vão marcar se avançarem com a compra" do banco, acrescentou.

Os manifestantes percorreram a avenida da Liberdade fazendo protestos junto à sede do Novo Banco e de vários bancos espanhóis que poderão estar interessados na compra da instituição, como o Santander Totta, o BBVA, La Caixa e Popular, percorrendo todas as agências na Avenida da Liberdade, na Rua Augusta e na Rua do Comércio, continuando o protesto novamente em direção à avenida de Liberdade.

Muitos manifestantes colaram autocolantes nos vidros das instituições bancárias, que diziam: "Novo comprador: Quem o Novo Banco comprar, a dívida vai ter de pagar".

Desde que o Banco Espírito Santo (BES) foi alvo de uma medida de resolução, no verão de 2014, que clientes do retalho detentores de papel comercial do GES, que compraram os títulos aos balcões do BES, têm vindo a desenvolver várias ações com vista a recuperar o dinheiro investido.

De acordo com as informações recolhidas pela Lusa, são atualmente 2.040 os subscritores de papel comercial que reclamam cerca de 400 milhões de euros.

Lusa

  • "Não há um verdadeiro debate democrático em Espanha"
    2:24
    Quadratura do Círculo

    Quadratura do Círculo

    QUINTA-FEIRA 23:00

    No Quadratura do Círculo desta quinta-feira, José Pacheco Pereira disse que este braço de ferro em território espanhol reforça a linha autoritária que existe em Espanha. Jorge Coelho considera que é urgente recorrer à diplomacia para definir um caminho a médio ou a longo prazo. Já o gestor Manuel Queiró afirma que Portugal não deve encarar este referendo com condescendência. 

  • O que separa a Catalunha do resto de Espanha?
    2:12

    Mundo

    Desde 1640, as revoltas catalãs representam a vontade pela distância e pela independência. Numa região que não é reconhecida formalmente como Nação, na Catalunha entende-se e fala-se mais castelhano do que catalão. Mas o que realmente separa a Catalunha do resto de Espanha?

  • A corrida ao iPhone 8 no Japão, China e Austrália
    2:04
  • Óculos inteligentes permitem controlar telemóvel com o nariz
    1:05
  • Defesa de Sócrates diz que junção do caso Rio Forte à Operação Marquês é ilegal
    0:50

    Operação Marquês

    A defesa de José Sócrates diz que a junção do caso Rio Forte à Operação Marquês é ilegal. A aplicação de 900 milhões de euros da PT no BES foi anexada ao processo, por suspeita de luvas pagas por Ricardo Salgado a Zeinal Bava e Henrique Granadeiro, também arguidos. A defesa do antigo primeiro-ministro já contestou a decisão. Diz que é uma forma de confundir o processo para ocultar, mais uma vez, a falta de provas contra Sócrates.

  • Família Portugal Ramos
    15:01