sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

Autoridades voltam hoje a discutir solução para lesados do BES

O Governo, o Banco de Portugal e a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) voltam a reunir-se hoje para tentar encontrar uma solução para o problema dos lesados do papel comercial do Grupo Espírito Santo (GES).

Arquivo

Arquivo

MÁRIO CRUZ/LUSA

O encontro vai realizar-se esta tarde, confirmou à Lusa fonte próxima das negociações, e é a segunda vez que as autoridades se juntam para abordar em conjunto o problema dos lesados que compraram papel comercial de sociedades do GES nos balcões do antigo BES, depois de já se terem reunido na quinta-feira da semana passada.

Na quarta-feira, representantes da Associação dos Indignados e Enganados do Papel Comercial (AIEPC) do GES participaram numa reunião bilateral com o Banco de Portugal, naquela que foi a primeira vez que foram recebidos por elementos do regulador bancário.

No final dos trabalhos, a AIEPC disse aos jornalistas que acredita que será encontrada uma solução que permita recuperar parte do dinheiro investido e que poderá haver novidades em três semanas.

"Parece-nos que o processo terá um fim positivo, onde haja um ressarcimento das pessoas", disse Ricardo Ângelo, presidente da associação, considerando que poderá haver um esboço de acordo já entre duas a três semanas.

A questão dos lesados do papel comercial ganhou ainda mais ênfase depois de o primeiro-ministro, António Costa, ter há uma semana censurado publicamente o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, por estar a "arrastar" uma solução.

Em junho de 2015, o governador do Banco de Portugal disse no parlamento que a solução para os lesados do BES tinha de vir da CMVM e não da entidade que dirige, uma vez que se tratam de valores mobiliários e não de depósitos e reafirmou que as responsabilidades pelos lesados do papel comercial do BES não podem ser atribuídas ao Novo Banco, mas sim ao próprio BES.

Desde que o Banco Espírito Santo (BES) foi alvo de uma medida de resolução, no verão de 2014, que clientes do retalho detentores de papel comercial do GES, que compraram os títulos aos balcões do BES, têm vindo a desenvolver várias ações com vista a recuperar o dinheiro investido.

De acordo com as informações recolhidas pela Lusa, são atualmente 2.040 os subscritores de papel comercial que reclamam cerca de 400 milhões de euros.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.