sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

Grupo de trabalho reúne-se para encontrar solução para lesados do BES

O grupo de trabalho que está a procurar uma solução para compensar os lesados do papel comercial do Grupo Espírito Santo (GES) volta a reunir-se hoje de manhã em Lisboa.

Manifestação dos lesados do BES.Lisboa, fevereiro, 2016.

Manifestação dos lesados do BES.Lisboa, fevereiro, 2016.

JOS\303\211 SENA GOUL\303\203O

Como habitualmente, o encontro vai juntar a Associação dos Indignados e Enganados do Papel Comercial do GES, o Banco de Portugal, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, sob a mediação do Governo, e tem como objetivo dar mais um 'passo' numa solução que tente compensar os 2.084 clientes que dizem ter sido lesados pelo BES.

Estes investidores do retalho reclamam 432 milhões de euros investidos em papel comercial das empresas Espírito Santo International e Rioforte, do GES, que foi vendido aos balcões do banco BES. Esse dinheiro foi dado como praticamente perdido aquando da 'implosão' do grupo da família Espírito Santo, em 2014.

O Governo assumiu este caso como uma prioridade por considerar que está em jogo a reposição da confiança no sistema financeiro, e o primeiro-ministro fez questão de presidir em março à cerimónia de assinatura do memorando de entendimento em que as partes se comprometeram a encontrar uma solução até ao início de maio.

No final de abril, um comunicado divulgado à Lusa pelas partes envolvidas nas negociações referia que estava "muito perto" uma solução para este caso, mas que ainda precisava de "algum trabalho de concretização".

O jornal Sol noticiou no último fim de semana que a solução poderá passar pela criação de um veículo financeiro que comprará os créditos que os clientes lesados têm sobre as empresas do GES, sendo que será depois esse veículo que irá receber eventuais compensações decorrentes da massa falida das empresas insolventes. Deverá ainda assumir as ações em tribunal que os lesados puseram e receberá eventuais compensações que venham a ser decididas na Justiça.

A questão agora é saber como será o veículo financiado numa fase inicial, uma vez que terá de pagar aos clientes lesados para ficar com os seus créditos.

Falta também enquadrar juridicamente esta solução, de modo a que seja garantido que não há impedimentos legais à sua concretização.

Lusa

  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55

    Football Leaks

    Com o escândalo dos agentes de futebol a dar que falar, o Expresso revela este sábado os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa. O nome da empresa de que é administrador, a Energy Soccer, surge na investigação em transferências de jogadores que envolvem o Futebol Clube do Porto num conflito de interesses.

  • A história da guerra em Alepo
    7:43
  • Uma "cidade fantasma" na Letónia
    3:10