sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

"BES mau" com prejuízos de 2,6 mil M€ em 2015

O "banco mau" BES fechou o ano de 2015 com prejuízos de 2,6 mil milhões de euros, divulgou hoje em comunicado a entidade que ficou com os chamados 'ativos tóxicos' do antigo banco da família Espírito Santo.

A entidade liderada por Luís Máximo dos Santos, que irá para administrador do Banco de Portugal, divulgou hoje o Relatório e Parecer da Comissão de Fiscalização referente às contas de 2015, em que consta a informação de que o ano passado a entidade teve "um resultado líquido do exercício negativo de 3.598.241 milhares de euros".

Em 2014, os prejuízos tinham sido ainda maiores, ao ascenderem a quase 9,2 mil milhões de euros, sendo que a maior parte se referia ainda ao tempo em que o antigo BES ainda existia.

O Banco Espírito Santo (BES) foi alvo de uma medida de resolução a 03 de agosto de 2014, tendo sido criado nessa mesma data o banco de transição Novo Banco, detido na totalidade pelo Fundo de Resolução bancário, para onde foram transferidos os ativos do BES que não eram considerados problemáticos. Em 2015, o Novo Banco teve prejuízos de 980,6 milhões de euros.

Já a entidade BES continuou a existir, tendo ficado aí os chamados 'ativos tóxicos' do banco da família Espírito Santo, sobretudo créditos sobre entidades do Grupo Espírito Santo, em geral de muito difícil recuperação, e filiais, nomeadamente o BES Angola.

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.

  • Dirigente derrotado da Gâmbia concorda em ceder poder

    Mundo

    O ex-presidente e candidato derrotado das eleições na Gâmbia, Yahya Jammeh, concordou em ceder o poder ao novo Presidente do país, empossado na quinta-feira, indicou esta sexta-feira um responsável governamental senegalês.