sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

"BES mau" com prejuízos de 2,6 mil M€ em 2015

O "banco mau" BES fechou o ano de 2015 com prejuízos de 2,6 mil milhões de euros, divulgou hoje em comunicado a entidade que ficou com os chamados 'ativos tóxicos' do antigo banco da família Espírito Santo.

A entidade liderada por Luís Máximo dos Santos, que irá para administrador do Banco de Portugal, divulgou hoje o Relatório e Parecer da Comissão de Fiscalização referente às contas de 2015, em que consta a informação de que o ano passado a entidade teve "um resultado líquido do exercício negativo de 3.598.241 milhares de euros".

Em 2014, os prejuízos tinham sido ainda maiores, ao ascenderem a quase 9,2 mil milhões de euros, sendo que a maior parte se referia ainda ao tempo em que o antigo BES ainda existia.

O Banco Espírito Santo (BES) foi alvo de uma medida de resolução a 03 de agosto de 2014, tendo sido criado nessa mesma data o banco de transição Novo Banco, detido na totalidade pelo Fundo de Resolução bancário, para onde foram transferidos os ativos do BES que não eram considerados problemáticos. Em 2015, o Novo Banco teve prejuízos de 980,6 milhões de euros.

Já a entidade BES continuou a existir, tendo ficado aí os chamados 'ativos tóxicos' do banco da família Espírito Santo, sobretudo créditos sobre entidades do Grupo Espírito Santo, em geral de muito difícil recuperação, e filiais, nomeadamente o BES Angola.

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.