sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

Solução tem já apoio de 50% dos lesados mas é preciso 80% para avançar

A solução negociada para compensar os clientes do papel comercial do GES já tem o apoio de 50% dos lesados, mas é preciso a aceitação de 80% para que seja criado o fundo de indemnização que irá reembolsar parcialmente o dinheiro investido.

MANUEL DE ALMEIDA

Segundo um dos escritórios de advogados ligados à Associação dos Lesados e Indignados do Papel Comercial, na semana passada havia já ações judiciais referentes a 300 aplicações de clientes (cada lesado pode ter mais de uma), passo necessário para acederem à solução negociada com Banco de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, com a mediação do Governo, e esta semana o número já mais do que triplicou e vai em quase 1.000.

Ainda assim, segundo a proposta de solução financeira que já está no Ministério das Finanças para ser validada, é necessária a aceitação da solução por 80% dos mais de 2.000 clientes, pelo que é preciso que mais lesados acionem ações judiciais e se juntem para que este processo vá em frente.

A solução que foi encontrada para que os lesados em papel comercial possam receber parcialmente o dinheiro investido implica que esses clientes acionem um exercício processual jurídico - quer seja processo judicial ou uma notificação judicial avulsa - até 03 de agosto, uma vez que nessa data passam dois anos desde a resolução do Banco Espírito Santo (BES) e há muitos direitos que caducam.

A necessidade de os clientes acionarem processos judiciais relaciona-se com o facto de esta solução passar pela criação de um fundo de indemnizações.

Será esse fundo que irá indemnizar os lesados (parcialmente, nunca receberão o valor total investido), ficando esse veículo em troca com os direitos das ações judiciais. Esse fundo dará então continuidade à litigância e será ele que, no futuro, irá receber dinheiro se os tribunais assim o decidirem.

"A solução passa por uma cedência, antecipação de direitos, por um lado, e renúncia de direitos, por outro lado, pelo que é preciso um exercício processual jurídico, quer seja processo judicial ou uma notificação judicial avulsa" para que os lesados do BES possam ter direito a indemnização, já tinha explicado na segunda-feira à Lusa uma das fontes envolvidas na negociação da solução.

Nas ações judiciais a serem colocadas, os clientes têm de ter cuidado quanto às entidades e pessoas sobre as quais as dirigem.

Atualmente, a Associação dos Indignados e Lesados do Papel Comercial está a fornecer a quem a contacta toda a informação respeitante ao que deve ser feito em termos judiciais, nomeadamente que a colocação de processos deve ser dirigida a mais de sessenta entidades.

Essas entidades são as empresas emitentes do papel comercial (Rio Forte e Espírito Santo International), o oferente e intermediário financeiro (o BES, uma vez que aqueles títulos foram vendidos aos balcões do banco), os administradores das entidades em causa e as seguradoras dos administradores. É normal os gestores de grandes empresas terem seguros (os D&O) que visam cobrir eventuais responsabilidades que lhes venham a ser imputadas pelas suas funções.

O objetivo da solução que foi negociada é compensar os mais de 2.000 clientes do retalho que dizem ter sido lesados pelo BES, que lhes vendeu papel comercial de empresas que vieram a falir. Estes investidores reclamam 432 milhões de euros.

Esse dinheiro foi dado como praticamente perdido aquando da queda do grupo da família Espírito Santo, em 2014.

Para a solução que foi negociada importa ainda conhecer os resultados da auditoria pedida pelo Banco de Portugal à Deloitte para avaliar que perdas sofreriam os credores do BES se em vez da resolução o banco tivesse sido liquidado. Se tivessem tido menos perdas numa liquidação, esses credores têm dinheiro a receber do Fundo de Resolução bancário.

Lusa

  • "PCP não é força de suporte do Governo"
    2:11

    País

    Ao segundo dia de congresso comunista, ouviu-se o aviso mais forte, até agora, ao PS. João Oliveira, líder parlamentar do partido, diz que o PCP não se diluiu e que não é suporte do Governo. Já Jerónimo de Sousa deixou elogios à excelente geração de jovens que estão na frente política do PCP.

  • Passos elogia escolha de Paulo Macedo mas diz que não é suficiente
    1:47

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho diz que Paulo Macedo é competente para liderar os destinos da Caixa Geral de Depósitos, mas que a nomeação do antigo ministro não é suficiente para passar uma esponja sobre o assunto. Em Viseu, o líder do PSD não quis ainda avançar com um nome para a Câmara de Lisboa, depois de Santana Lopes afastar a hipótese de se candidatar.

  • O novo coala do zoo de Lisboa
    3:10

    País

    A SIC acompanhou em exclusivo a transferência de uma coala da Alemanha para o Zoo de Lisboa. O animal veio de avião e foi batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Ficou com o nome de Goolara. O coala é uma fêmea, com quase dois anos, e veio para aumentar a família da mesma espécie em Portugal.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.