sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

Resolução do BES motivou 13% das queixas apresentadas à CMVM em 2015

A resolução do Banco Espírito Santo (BES), em agosto de 2014, continuou a gerar muitas reclamações dos investidores no ano passado, representando 13% do total das queixas que chegaram à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Em Portugal, estão a correr um total de 337 processos judiciais, dos quais 95 já existiam antes de 3 de agosto de 2014, dia da resolução do BES, e 242 iniciados já depois desta data. (Arquivo)

Em Portugal, estão a correr um total de 337 processos judiciais, dos quais 95 já existiam antes de 3 de agosto de 2014, dia da resolução do BES, e 242 iniciados já depois desta data. (Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

"Continuou a registar-se [em 2015], tal como no ano transato [2014], um elevado número de queixas diretamente relacionadas com o impacto da aplicação da medida de resolução ao BES, que representaram 13% do total das reclamações entradas no ano", revelou o supervisor do mercado português no seu relatório anual, hoje divulgado.

Em 2015, entraram 1.712 reclamações na CMVM (1.669 contra intermediários financeiros, 25 contra emitentes e 18 contra outros), um aumento homólogo de 34% face a 2014 e de 285% face a 2013.

"O número de solicitações dos investidores continuou a refletir a medida de resolução aplicada ao BES, em agosto de 2014, bem como a medida de resolução aplicada ao Banif, em dezembro de 2015", destacou a entidade liderada por Carlos Tavares.

Segundo a CMVM, "os intermediários financeiros representaram a quase totalidade das entidades reclamadas (97,5% do total), o que não pode ser dissociado das referidas medidas de resolução".

A colocação e comercialização de instrumentos financeiros foi o serviço financeiro mais contestado pelos investidores e correspondeu a mais de metade das reclamações entradas na CMVM em 2015 (64%), seguido da comercialização de unidades de participação de organismos de investimento coletivo (4%), e da cobrança de comissões e encargos (4%).

Seguiram-se-lhes o pagamento de juros e dividendos (2%), a receção e execução de ordens (2%) e a subscrição não autorizada de produtos financeiros e à titularidade de valores mobiliários (1%).

De resto, o papel comercial foi responsável por quase metade das reclamações recebidas pela CMVM (45%) ao longo do ano passado, seguido, a longa distância, pelas ações (12%), pelas obrigações - inclui dívida subordinada e não subordinada, exceto séries comerciais - (12%), pelas séries comerciais - ações preferenciais e obrigações - (11%), pelos instrumentos financeiros complexos (7%) e pelas unidades de participação de organismos de investimento coletivo e de fundos especiais de investimento (4%).

A categoria 'outros' teve um peso de 10% sobre o total das queixas apresentadas pelos investidores em 2015.

Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.