sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

Alteradas condições dos empréstimos para financiar medida de resolução do BES

O Fundo de Resolução do BES informou esta quinta-feira, em comunicado, que as condições dos empréstimos para financiamento da medida de resolução aplicada ao Banco Espírito Santo foram alteradas e podem ser pagas até 31 de dezembro de 2017.

"Na sequência das alterações entretanto acordadas com o Estado e com os bancos, ambos os empréstimos passaram a ter vencimento em 31 de dezembro de 2017, sem prejuízo de possibilidade de reembolso antecipado ou de serem acordadas novas alterações", refere o Fundo da Resolução, em comunicado.

O Fundo de Resolução foi criado em 2014 para financiar o Novo Banco com empréstimos do Estado e um conjunto de oito instituições de crédito.

O Estado concedeu um empréstimo de 3.900 milhões de euros, enquanto as instituições de crédito fizeram um empréstimo no valor de 700 milhões de euros.

A Caixa Geral de Depósitos, o Banco Comercial Português, o BPI, o Banco Santander Totta, a Caixa Económica Montepio Geral, o Banco Popular, o BIC português e a Caixa de Crédito Agrícola Mútuo foram as instituições de crédito que financiaram os 700 milhões de euros.

"A taxa de juro de ambos os empréstimos passou a corresponder a uma taxa de 0,7% acrescida de uma comissão base no valor de 0,15% e de um 'spread' de 0,35% que será sucessivamente adicionado, em cada período de três meses, contados a partir de 04 de agosto de 2016, de um spread adicional e cumulativo de 0,05% em termos equiparáveis à fórmula de cálculo até agora em vigor", salienta no comunicado o Fundo de Resolução.

Assim, continua o Fundo de Resolução no comunicado, a "taxa de juro a aplicar ao período de três meses contados a partir de 04 de agosto de 2016 será de 1,25%".

Lusa

  • "O polvo está perfeitamente à rasca"
    1:45
    O Dia Seguinte

    O Dia Seguinte

    2ªFEIRA 21:50

    As denúncias do Benfica estiveram em análise ontem no programa O Dia Seguinte da SIC Notícias. Rui Gomes da Silva considera graves algumas das acusações feitas pelos encarnados. Já Paulo Andrade e José Guilherme Aguiar consideram que tudo não passa de uma manobra de diversão do Benfica.

  • Assédio, até onde vai a tolerância?
    35:26