sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

Finanças dizem que solução para lesados do BES não pode ter impacto no défice

Reuters

As Finanças disseram esta quinta-feira que a solução que for encontrada para os lesados do papel comercial do Grupo Espírito Santo não pode ter impacto no défice orçamental e que está por definir o mecanismo que poderá minimizar as perdas sofridas.

"Houve progressos e terão lugar novas reuniões em breve. Estamos a trabalhar numa solução que não tenha impacto no défice", disse fonte oficial do Ministério das Finanças à Lusa.

A informação das Finanças é, assim, mais cautelosa do que a hoje anunciada pelo presidente da Associação dos Indignados e Enganados do Papel Comercial (AIEPC), que disse que o Governo deu 'luz verde' à solução que permitirá devolver parte do dinheiro perdido por aqueles clientes, após a reunião desta manhã entre representantes da associação, da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), do Banco de Portugal e do Governo.

Durante a reunião, que começou às 10:00 e terminou pelas 12:30, cerca de 40 clientes lesados que compraram papel comercial aos balcões do BES, poucos meses antes da queda do banco e do grupo, em agosto de 2014, concentraram-se junto às instalações do Banco de Portugal, aguardando o desfecho do encontro.

No final, Ricardo Ângelo disse aos jornalistas e aos lesados que o esperavam na rua que é certo que haverá uma solução - referindo que depois de hoje "já não há volta atrás" - mas também avisou que este é um processo complexo, uma vez que passa pela constituição de um fundo de indemnizações e pela criação de condições para esse fundo ficar com os créditos judiciais dos clientes lesados, reembolsando parcialmente o dinheiro perdido.

Cerca de 2.000 clientes de retalho reclamam os 432 milhões de euros que investiram em papel comercial das empresas Espírito Santo International e Rioforte, do Grupo Espírito Santo (GES), vendidos aos balcões do BES meses antes da falência do grupo.

No início do ano, o primeiro-ministro, António Costa, empenhou-se pessoalmente neste processo por considerar que a resolução deste problema é fundamental para a estabilidade do sistema financeiro e colocou o advogado Diogo Lacerda Machado como negociador em nome do Governo.

Lusa

  • Governo garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo de ajuda alimentar
    1:18

    País

    O ministro da Solidariedade e Segurança Social garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo europeu de ajuda alimentar. Vieira da Silva respondeu, esta manhã, à notícia avançada pelo Jornal de Notícias que dava conta de que, este ano, o país teria desperdiçado 28 milhões de euros de um fundo europeu porque o programa ainda não está operacional.