sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

Lesados do BES podem reclamar créditos até 26 de agosto

Os investidores lesados em papel comercial da Espírito Santo International (ESI) e da Rio Forte, adquirido aos balcões do BES, podem reclamar os seus créditos até 26 de agosto, segundo a Associação dos Enganados e Indignados do Papel Comercial (AIEPC).

"A associação entende, face às informações que dispomos atualmente, que os associados e lesados em papel comercial ESI e Rio Forte, devem fazer a reclamação de créditos junto do BES [Banco Espírito Santo], até dia 26 de agosto", lê-se numa comunicação da AIEPC disponibilizada através da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

"A AIEPC disponibiliza uma minuta tipo que cada lesado pode usar sem recorrer ao seu advogado, no entanto não invalida que possa solicitar parecer ou entendam proceder de outra forma, sendo que não é da responsabilidade da associação a vossa escolha", informou a entidade que representa os lesados do papel comercial do Grupo Espírito Santo (GES).

Esta informação visa a reclamação de créditos, pelos titulares de papel comercial, no âmbito do processo de insolvência do BES.

A comissão liquidatária do BES é composta por três elementos, dois dos quais já estavam no banco (César Brito e Miguel Alçada), a que se junta também Joana Martins, segundo os processos apresentados pelo Banco de Portugal ao portal da justiça, o Citius, e publicados em julho.

Os requerimentos de reclamação devem indicar, nomeadamente, a proveniência do crédito, a data de vencimento, o montante de capital e de juros, mas também a sua natureza comum, subordinada, privilegiada ou garantida e a existência de eventuais garantias pessoais.

Além disso, os credores "devem comunicar de imediato ao administrador da insolvência a existência de quaisquer garantias reais de que beneficiem".

O processo de liquidação do BES iniciou-se em julho depois de o Banco de Portugal o ter requerido em tribunal. Neste processo, será feita a lista de credores pelos quais serão depois distribuídos os bens do banco, em função da hierarquia dos referidos credores.

O Banco de Portugal informou em meados de julho que a licença bancária do BES foi revogada pelo BCE, entrando em liquidação.

Já se esperava que a revogação da licença para a atividade bancária do BES, a entidade que ficou com os chamados 'ativos tóxicos' do banco da família Espírito Santo, acontecesse até 03 de agosto, quando passaram dois anos desde a resolução do banco.

O chamado 'banco mau' - o BES - fechou o ano de 2015 com prejuízos de 2,6 mil milhões de euros, sendo que a maior parte desses se deveu à decisão de dezembro passado do banco central de passar do Novo Banco para o BES cinco emissões de dívida não subordinada (sénior) no total de 2,2 mil milhões de euros.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.