sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

PS culpa anterior Governo e Banco de Portugal pelos lesados do BES e Banif

MIGUEL A. LOPES

O líder parlamentar socialista acusou esta quinta-feira PSD e CDS de terem deixado terreno minado no setor financeiro, com casos por resolver como o dos lesados do BES e Banif, em que também culpou o Banco de Portugal.

Estas posições foram assumidas por Carlos César no debate quinzenal com o primeiro-ministro, num discurso em que defendeu a tese de que o país, "ao contrário das projeções da oposição, vive em estabilidade política, institucional e social".

Na sua intervenção, o presidente do PS classificou como uma "fantasia" a ideia de que Portugal teve uma "saída limpa" do Programa de Assistência Económica e Financeira em maio 2014, apontando como exemplo disso mesmo "a herança" que o atual Governo recebeu ao nível do sistema financeiro.

"Por incúria do Governo anterior, o Banif teve de ser resolvido. O Novo Banco é impossível de ser vendido pelo preço que o anterior executivo garantia e a Caixa Geral de Depósitos teve de ser recapitalizada. Tudo isto custou dinheiro, muito dinheiro", referiu.

De acordo com Carlos César, todas as operações a que o atual Governo socialista foi obrigado a adotar ao longo deste ano teriam custado "bem menos se, no tempo próprio e com os recursos então disponibilizados para estabilizar o setor financeiro, o anterior executivo tivesse agido atempada e de forma competente".

O presidente do Grupo Parlamentar do PS pegou também na ideia de "falta de comparência" usada minutos antes pelo seu homólogo social-democrata, Luís Montenegro, mas agora para criticar o Governo PSD/CDS-PP e, sobretudo, o Banco de Portugal, por causa da questão dos "lesados do BES e do Banif".

"Foi essa mesma atitude de falta de comparência, embora com maior responsabilidade também do Banco de Portugal, que esteve na base do problema dos lesados, quer no que diz respeito ao BES, quer no que concerne ao Banif. A oposição legou-nos a ilusão da chamada saída limpa (do programa da 'troika'), mas o que nos deixou foi um terreno minado com elevados custos para todo o país", acrescentou.

Lusa

  • Sismo de magnitude 4,0 provoca um morto em Nápoles

    Mundo

    Um sismo de magnitude 4,0 na escala de Richter atingiu esta segunda-feira a ilha de Ísquia no golfo de Nápoles, no mar Tirreno, no sul de Itália. De acordo com o jornal La Stampa uma mulher terá morrido e dois feridos estarão em perigo de vida.

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.