sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

BE e PCP querem controlo público do Novo Banco, PSD diz que já viu este "filme"

O BE e o PCP sustentaram esta quinta-feira, embora em vertentes diferentes, que o Novo Banco deve ser de domínio público, com o PSD a criticar o Governo e a dizer que já viu este "filme".

As posições dos partidos foram transmitidas num debate de atualidade no parlamento a propósito do Novo Banco e do seu processo de venda

O Bloco de Esquerda (BE) pediu a nacionalização e classificou a Lone Star de "fundo abutre", o Partido Comunista Português (PCP) defendeu o banco na esfera pública mas rejeitou uma nacionalização temporária e o PSD acusou o Governo de não solucionar "coisa alguma".

"A nacionalização do BPN, realizada em 12 de novembro de 2008 e promovida pelo governo socialista de então, foi desastrosa. Hoje, quase nove anos depois, os mesmos governantes socialistas parecem estar a tratar da reposição do filme da nacionalização de um banco", advogou o social-democrata Marco António Costa.

Para o deputado do PSD, o Governo "sempre que é chamado a agir" sobre o sistema financeiro, "age mal", e disso é exemplo a resolução do Banif, que "resultou numa consciente e deliberada venda a preço de saldo", ou a "inenarrável novela em que o Governo transformou a Caixa Geral de Depósitos".

E concretizou: "Ainda o país não se refez do episódio Caixa Geral de Depósitos e já o Novo Banco entra na berlinda mediática. Talvez assim desvie as atenções de uma Caixa Geral de Depósitos à deriva".

A "aventada" experiência de uma nacionalização temporária do Novo Banco, seguida de uma venda a uma entidade privada, "já foi tentada no BPN e custou milhares de milhões aos contribuintes num banco de pequena dimensão", assinalou ainda Marco António Costa.

À esquerda, a deputada do BE Mariana Mortágua, que abriu o debate, lembrou que se o Novo Banco for vendido "praticamente 70% da banca portuguesa relevante ficará em mãos estrangeiras", com a Lone Star - na frente para comprar o banco - a não ser mais que um "fundo abutre" que pretende "desmontar a carcaça do Novo Banco" e "sugar o máximo de recursos" no tempo "mais rápido possível".

"A única solução que protege o Novo Banco e o país é, por isso, a nacionalização. Mas também ela não está isenta de dificuldades e exigências", as maiores das quais "nas pressões" de Bruxelas e do Banco Central Europeu, frisou Mariana Mortágua.

A nacionalização do Novo Banco, a suceder, deve ser "transparente", logo na "rigorosa avaliação" do "balanço, ativos e garantidas" da entidade, continuou a parlamentar.

Já o comunista Miguel Tiago colocou de parte uma nacionalização temporária da entidade, considerando que "nacionalizar temporariamente não seria para o Estado e para os portugueses mais que assumir os prejuízos passados para entregar os lucros futuros".

Nesse sentido, o PCP pretende uma integração do Novo Banco no "sistema público bancário", levando a uma "valorização de longo prazo" da instituição e na sua crescente importância para famílias e empresas portuguesas.

Na semana passada, o Banco de Portugal anunciou que a Lone Star é a entidade mais bem colocada para comprar o Novo Banco, convidando-a para um "aprofundamento das negociações", manifestando em seguida o Ministério das Finanças esperança de que o processo seja concluído com celeridade.

Segundo o Jornal de Negócios, a proposta do Lone Star consiste numa oferta de 750 milhões pelo Novo Banco e admite uma injeção de mais 750 milhões.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.