sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

Diplomas do PCP e BE para nacionalização do Novo Banco devem ser hoje chumbados no Parlamento

PS, PSD e CDS-PP devem "chumbar" esta sexta-feira os projetos de resolução de PCP e BE para a nacionalização do Novo Banco, que serão discutidos e votados na Assembleia da República.

Segundo fontes partidárias, socialistas, sociais-democratas e democratas-cristãos vão inviabilizar ambas as iniciativas que incluem a conceção de um novo plano estratégico para a instituição bancária.

O projeto de resolução dos comunistas refere a "necessidade urgente de assegurar a direção pública do Novo Banco, adquirindo ao fundo de resolução a totalidade do capital, com a respetiva remuneração dos empréstimos concedidos, a nomeação dos órgãos sociais e a elaboração de um plano estratégico para a banca pública que estabeleça os objetivos materiais e temporais".

O texto bloquista recomenda ao Governo do PS que "proceda à nacionalização do Novo Banco" e "promova e garanta" uma "rigorosa avaliação do seu balanço", "a melhor defesa dos interesses financeiros do Estado" e "o apuramento consequente de todas as responsabilidades, anteriores e decorrentes da resolução", além de um "debate alargado e democrático sobre o seu desígnio estratégico".

O ministro das Finanças, Mário Centeno, nas últimas declarações que proferiu sobre a venda do Novo Banco, disse que o processo avança "com bastante intensidade".

Mário Centeno escusou-se, contudo, a fixar uma data limite para a conclusão da venda do Novo Banco, alegando que tal "nunca é bom nem saudável" num processo de negociação que está a cargo do Banco de Portugal (BdP).

O Novo Banco foi criado em agosto de 2014 para trasladar os ativos menos tóxicos do extinto Banco Espírito Santo (BES), mas acumulou 2.000 milhões de euros de prejuízo desde então.

Através do fundo de resolução da banca, o Estado injetou 3.900 milhões de euros nesta instituição bancária devido aos riscos de contaminação do setor e, entretanto, dilatou os prazos para que os restantes bancos do mercado o reembolsassem.

Em setembro de 2015, um primeiro processo de venda foi cancelado porque o BdP considerou que nenhuma das propostas apresentadas era suficientemente razoável.

Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.