sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Ministro das Finanças grego defende reestruturação "inteligente" da dívida

O ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis, defende uma reestruturação "inteligente" da dívida da Grécia, considerando que um perdão total seria inaceitável para os credores, numa entrevista hoje publicada na Alemanha.       

Ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis (Reuters/Arquivo)

Ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis (Reuters/Arquivo)

(Reuters/Arquivo)

"Um 'haircut' é uma palavra feia. Eu sei. Assim como nós não queremos ouvir falar na palavra 'troika', os nossos credores não querem ouvir a palavra 'haircut' (corte). É qualquer coisa que eu compreendo", declarou Varoufakis ao jornal económico alemão Handelsblatt.     

"Existem soluções mais inteligentes", adiantou o ministro grego. 

Entre outros, "nós podíamos converter uma parte dos créditos que recebemos do FESF (European Financial Stability Facility, EFSF), em obrigações, cujos cupões e reembolsos seriam indexados à evolução do Produto Interno Bruto (PIB) grego", referiu. 

Os parceiros da Grécia consentiram na semana passada prolongar até junho o programa de ajuda ao país. Até lá, Atenas e os parceiros devem chegar a um acordo sobre um novo contrato e o Governo de Alexis Tsipras deve pôr em prática uma série de reformas. 

"Eu não quero que o Estado continue a endividar-se. O novo acordo que nós queremos negociar a partir de agora e até ao final de junho deve consistir num pacto de crescimento, que se apoiaria em investimentos do setor privado", defendeu Varoufakis. 

Segundo o ministro, se a Grécia regressar ao crescimento "e uma parte da dívida for reestruturada inteligentemente, sem que o nível nominal mude, o problema da dívida pode ser resolvido". 

 Contudo, a Grécia enfrenta importantes pagamentos em março, que dificilmente poderá honrar. 

"Nós temos compromissos de pagamentos ao Fundo Monetário Internacional (FMI) em março e abril. Ao mesmo tempo, o Banco Central Europeu (BCE) deve-nos juros de um montante de 1,9 mil milhões de euros de obrigações gregas. Nós propomos que uma parte deste dinheiro sirva para reembolsar empréstimos ao FMI", adianta Varoufakis, retomando uma sugestão que já fez em diversas ocasiões. 


Lusa
  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.