sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Tsipras acusa BCE de ter "nas mãos a corda que está no pescoço" de Atenas

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, declarou hoje que o Banco Central Europeu (BCE) "tem nas mãos a corda que está no pescoço" da Grécia, segundo uma entrevista à revista alemã Der Spiegel.

© Alkis Konstantinidis / Reuter

"O BCE ainda tem nas mãos a corda que temos no pescoço", afirmou Tsipras na entrevista parcialmente divulgada pela revista.

O primeiro-ministro grego confirmou a intenção de querer enfrentar os problemas de liquidez da Grécia emitindo obrigações de curto prazo.

O BCE, a Comissão Europeia e o Fundo Monetário Internacional (FMI) são credores da Grécia e controlam a aplicação do programa de assistência financeira ao país. 

O BCE impôs um limite para a emissão destes títulos que já foi atingido (15 mil milhões de euros) e Atenas tem pedido o levantamento desta restrição, mas sem resultados, até agora.

"Se o BCE não o autorizar, terá uma grande responsabilidade e voltaremos ao drama que tínhamos antes de 20 de fevereiro", advertiu o primeiro-ministro grego, em alusão à data em que a Grécia chegou a acordo com o Eurogrupo para prolongar o programa de resgate por quatro meses.

Segundo Tsipras, é preciso "uma solução política que não pode ser tomada por tecnocratas".

Sem fontes suplementares de financiamento, a Grécia corre o risco de não poder reembolsar nas próximas semanas o FMI em 1,5 mil milhões de euros.

Na conferência de imprensa que deu na quinta-feira em Nicósia, o presidente do BCE, Mario Draghi, mostrou-se firme em relação à Grécia.

"A última coisa que se pode dizer é que o BCE não apoia a Grécia", disse Draghi, insistindo que a instituição "é governada com regras" e que essas não podem ser ultrapassadas para favorecer um país.

Tsipras reafirmou a sua intenção de aplicar as reformas prometidas e indicou que pediu a "todos os membros do conselho de ministros menos palavras e mais atos". O aviso "não foi apenas para (Yanis) Varoufakis", o ministro das Finanças grego que tem multiplicado as suas intervenções nos 'media' nas últimas semanas.


Lusa
  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.