sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Zona euro nega à Grécia devolução de 1,2 mil milhões de euros pelo fundo de estabilização

O grupo de trabalho do Eurogrupo considerou hoje que não há "motivo legal" para devolver à Grécia 1200 milhões de euros que reclama do Fundo Europeu de Estabilização Financeira, em mais uma contrariedade para os cofres públicos helénicos.

© Yannis Behrakis / Reuters

Após o debate sobre a exigência do Executivo grego, o porta-voz do fundo europeu disse em comunicado que "houve acordo que, legalmente, não houve reembolso excessivo" por parte da Grécia, estando agora a analisar-se como vai evoluir este processo em que a Grécia reclama 1,2 mil milhões de euros.

Esta é mais uma contrariedade para o novo Governo grego, uma vez que a devolução deste montante seria um pequeno balão de oxigênio para os cofres públicos, que já estão com dificuldades de liquidez e quando o país tem de reembolsar 15,5 mil milhões de euros aos seus credores entre março e agosto.

Em fevereiro, o novo Governo grego devolveu ao Fundo Europeu de Estabilização Financeira 10,9 mil milhões de euros em obrigações emitidas por este para recapitalização dos bancos gregos e que não foram utilizados.

No entanto, o Executivo veio a perceber que na recapitalização da banca grega houve 1,2 mil milhões de euros que vieram de reservas próprias do fundo de estabilização bancário helénico.

A recapitalização usando reservas próprias do fundo grego foi feita por decisão do anterior Governo, liderado por Antonis Samaras ,apesar de o fundo de estabilização ainda ter os tais 10,9 mil milhões de euros em dívida do fundo europeu que poderiam ser usados em injeções de dinheiro aos bancos gregos.

Assim, o Governo de Alexis Tsipras defende a devolução desse montante. 

Segundo disse à France Presse uma fonte envolvida neste grupo de trabalho, Atenas não tem sido bem-sucedida neste tema porque está previsto legalmente que todas as obrigações não utilizadas do fundo de estabilização europeu devem ser devolvidas.

Lusa
  • Primeiro-ministro holandês liga a Costa para explicar palavras de Dijsselbloem
    2:23

    País

    António Costa pediu que Djisselbloem desaparecesse da Presidência do Eurogrupo. Após esta tomada de posição, o primeiro-ministro holandês ligou para Costa na semana passada a dar explicações. Contudo, o primeiro-ministro português não recua e volta a dizer que Dijsselbloem não tem condições para continuar, na sequência das declarações sobre copos e mulheres. Os eurodeputados do Partido Popular Europeu reforçaram também esta terça-feira o pedido de demissão.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45

    País

    Há um surto de hepatite A em Portugal. Desde janeiro, 105 pessoas foram diagnosticadas na região de Lisboa e Vale do Tejo, um número superior aos casos contabilizados em todo o país nos últimos 40 anos. O surto terá começado na Holanda e está a atingir quase toda a Europa.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Novo vídeo do Daesh mostra crianças a treinar para matar
    3:35
  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho

  • Trump propõe cortes orçamentais para pagar muro

    Mundo

    O Presidente dos Estados Unidos está a propor cortes de milhões de dólares no orçamento para que os contribuintes norte-americanos, e não o México, paguem o muro a construir na fronteira entre os dois países.

  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.