sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Zona euro nega à Grécia devolução de 1,2 mil milhões de euros pelo fundo de estabilização

O grupo de trabalho do Eurogrupo considerou hoje que não há "motivo legal" para devolver à Grécia 1200 milhões de euros que reclama do Fundo Europeu de Estabilização Financeira, em mais uma contrariedade para os cofres públicos helénicos.

© Yannis Behrakis / Reuters

Após o debate sobre a exigência do Executivo grego, o porta-voz do fundo europeu disse em comunicado que "houve acordo que, legalmente, não houve reembolso excessivo" por parte da Grécia, estando agora a analisar-se como vai evoluir este processo em que a Grécia reclama 1,2 mil milhões de euros.

Esta é mais uma contrariedade para o novo Governo grego, uma vez que a devolução deste montante seria um pequeno balão de oxigênio para os cofres públicos, que já estão com dificuldades de liquidez e quando o país tem de reembolsar 15,5 mil milhões de euros aos seus credores entre março e agosto.

Em fevereiro, o novo Governo grego devolveu ao Fundo Europeu de Estabilização Financeira 10,9 mil milhões de euros em obrigações emitidas por este para recapitalização dos bancos gregos e que não foram utilizados.

No entanto, o Executivo veio a perceber que na recapitalização da banca grega houve 1,2 mil milhões de euros que vieram de reservas próprias do fundo de estabilização bancário helénico.

A recapitalização usando reservas próprias do fundo grego foi feita por decisão do anterior Governo, liderado por Antonis Samaras ,apesar de o fundo de estabilização ainda ter os tais 10,9 mil milhões de euros em dívida do fundo europeu que poderiam ser usados em injeções de dinheiro aos bancos gregos.

Assim, o Governo de Alexis Tsipras defende a devolução desse montante. 

Segundo disse à France Presse uma fonte envolvida neste grupo de trabalho, Atenas não tem sido bem-sucedida neste tema porque está previsto legalmente que todas as obrigações não utilizadas do fundo de estabilização europeu devem ser devolvidas.

Lusa
  • "Nos últimos 14 anos alertámos que este dia iria voltar"
    3:50

    País

    O vice-presidente da Câmara de Mação diz que se sente humilhado com o recurso a meios espanhóis para o combate ao fogo no concelho. Em entrevista à SIC, António Louro, que é também engenheiro florestal, critica os vários governos e afirma que nada disto teria acontecido se tivessem ouvido os apelos desesperados da autarquia depois do incêndio que, em 2003, destruiu grande parte do concelho.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • André Ventura rejeita acusações de xenofobia
    1:27

    País

    O candidato do PSD à Câmara de Loures diz que tocou num tema que as pessoas queriam discutir. Entrevistado na SIC Notícias, André Ventura insiste que as declarações que fez sobre a comunidade cigana não são xenófobas ou racistas.

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.