sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Zona euro nega à Grécia devolução de 1,2 mil milhões de euros pelo fundo de estabilização

O grupo de trabalho do Eurogrupo considerou hoje que não há "motivo legal" para devolver à Grécia 1200 milhões de euros que reclama do Fundo Europeu de Estabilização Financeira, em mais uma contrariedade para os cofres públicos helénicos.

© Yannis Behrakis / Reuters

Após o debate sobre a exigência do Executivo grego, o porta-voz do fundo europeu disse em comunicado que "houve acordo que, legalmente, não houve reembolso excessivo" por parte da Grécia, estando agora a analisar-se como vai evoluir este processo em que a Grécia reclama 1,2 mil milhões de euros.

Esta é mais uma contrariedade para o novo Governo grego, uma vez que a devolução deste montante seria um pequeno balão de oxigênio para os cofres públicos, que já estão com dificuldades de liquidez e quando o país tem de reembolsar 15,5 mil milhões de euros aos seus credores entre março e agosto.

Em fevereiro, o novo Governo grego devolveu ao Fundo Europeu de Estabilização Financeira 10,9 mil milhões de euros em obrigações emitidas por este para recapitalização dos bancos gregos e que não foram utilizados.

No entanto, o Executivo veio a perceber que na recapitalização da banca grega houve 1,2 mil milhões de euros que vieram de reservas próprias do fundo de estabilização bancário helénico.

A recapitalização usando reservas próprias do fundo grego foi feita por decisão do anterior Governo, liderado por Antonis Samaras ,apesar de o fundo de estabilização ainda ter os tais 10,9 mil milhões de euros em dívida do fundo europeu que poderiam ser usados em injeções de dinheiro aos bancos gregos.

Assim, o Governo de Alexis Tsipras defende a devolução desse montante. 

Segundo disse à France Presse uma fonte envolvida neste grupo de trabalho, Atenas não tem sido bem-sucedida neste tema porque está previsto legalmente que todas as obrigações não utilizadas do fundo de estabilização europeu devem ser devolvidas.

Lusa
  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40

    Economia

    Carlos Moedas diz que Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas a propósito da saída do procedimento por défice excessivo. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, o comissário europeu levanta dúvidas sobre a renegociação da dívida e garante que a escolha de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo vai depender do entendimento dos países do euro.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48