sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Grécia coloca 1.137 M€ de dívida a curto prazo a juro de 2,97%

A Grécia colocou hoje 1.137,5 milhões de euros em Bilhetes do Tesouro a 182 dias a um juro de 2,97%, igual ao do anterior leilão comparável realizado a 04 de março passado.

© Kostas Tsironis / Reuters

Este foi o primeiro leilão efetuado depois do Banco Central Europeu (BCE) ter dado indicações para os quatro principais bancos gregos não comprarem obrigações helénicas, segundo a Agência de Gestão da Dívida Pública grega (PDMA), citada pela agência de notícias espanhola EFE.

A taxa de juro deste leilão foi igual à da colocação efetuada a 04 de março de 2015, com a procura a superar em 1,30 vezes a oferta.

O Estado grego esperava financiar-se em 875 milhões de euros, pelo que a venda de dívida de curto prazo ficou acima da oferta inicial, refere em comunicado.

No leilão de 04 de março, a Grécia também vendeu Bilhetes do Tesouro nesta maturidade no montante de 1.137,5 milhões de euros, à um juro de 2,97%, enquanto no leilão efetuado a 04 de fevereiro a taxa de juro foi de 2,75%, salienta.

A Grécia, no leilão de 04 de fevereiro colocou 813 milhões de euros de dívida de curto prazo.

A operação de hoje correu melhor que o previsto pelos analistas. Estes esperavam que pelo facto de o BCE ter proibido os quatro principais bancos gregos de aumentarem a sua exposição à dívida helénica de médio e longo prazo faria com que os juros estivessem sob pressão.

O leilão de hoje tem a ver com 1.400 milhões de euros de dívida que vence a 14 de abril e na qual os investidores estrangeiros tinham investido quase 50% do valor global.



Lusa
  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.