sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Risco de a Grécia sair do Euro é hoje maior, diz Durão Barroso

O antigo presidente da Comissão Europeia José Manuel Durão Barroso reiterou hoje que o risco de a Grécia sair do Euro é hoje maior, uma vez que os riscos de contágio para os restantes Estados-membros "é muito menor".

© Murad Sezer / Reuters

"O risco para os outros países europeus [devido a uma saída da Grécia do Euro] é muito menor. Em 2008, 2009 e em 2011 fizemos um grande esforço, tudo ao nosso alcance, para manter a Grécia na Zona Euro. Agora há uma maior probabilidade, porque os riscos de contágio são muito menores", disse Durão Barroso, na Cimeira do Conselho Mundial do Turismo e Viagens, em Madrid.

O ex-presidente da Comissão considerou que "seria um erro se a Grécia não ficasse na Zona Euro", mas recordou que a permanência depende de um "acordo com os outros 18 membros da Zona Euro, que está a ser muito difícil".

Por isso mesmo apelou ao "sentido de responsabilidade do Governo grego", porque depende dele "entender que há acordos que devem ser respeitados".

Por outro lado, pediu "flexibilidade dos outros membros" quanto à Grécia, devido "aos tempos difíceis pelos quais os gregos passaram".

"Mas por uma questão de consistência na Zona Euro, não podemos mudar os acordos com a mudança de um Governo", disse.

Uma saída da Grécia da Zona Euro, disse Barroso, "seria o quebrar de um tabu", um sinal de que a União não apoio totalmente os seus membros.

E sublinhou que não foi Bruxelas a criar os problemas gregos, mas sim os governantes helénicos.

"Não é verdade que tenha sido a União Europeia a criar os problemas da Grécia, isso foram os sucessivos governos gregos - com o acumular descontrolado de dívida - e ao terem fornecido dados errados, falsos às estruturas da União", contrapôs ainda Durão Barroso.

O ex-presidente falava no primeiro dia da 15.ª Cimeira do Conselho Mundial de Turismo e Viagens, que se realizou pela primeira vez este ano em Madrid.



Lusa
  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • Equipa especial de três magistradas investiga crimes ligados ao futebol
    0:46

    Desporto

    A procuradora-Geral da República criou uma equipa com três magistradas para investigar os inquéritos relativos a crimes ligados ao futebol, que começou a trabalhar no início deste mês, no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP). Na edição do Tempo Extra desta quinta-feira, Rui Santos disse que a equipa promete reultados a curto prazo.

  • Hoje é notícia

    País

    Esta 5ª feira fica marcada pelo debate no Parlamento sobre a paridade, com duas propostas de lei do Governo para aumentar quotas de representação dos sexos de 33,3 para 40% no poder político e nos cargos dirigentes da administração pública. Termina ainda hoje prazo para lesados do BES aderirem a fundo de compensação de perdas. Ao nível internacional, destaque para a proclamação do novo Presidente de Cuba.

  • Mulher de português raptado em Moçambique faz apelo ao Governo
    0:24

    País

    Salomé Sebastião, a mulher do empresário português raptado em julho de 2016, em Moçambique, foi esta quarta-feira ouvida na Comissão Parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, no âmbito da petição entregue na Assembleia da República. A petição, subscrita por mais de quatro mil pessoas, pede aos deputados portugueses que pressionem as autoridades moçambicanas a investigar o paradeiro do português Américo Sebastião.

  • Sismo de magnitude 5,5 no sul do Irão

    Mundo

    Um sismo de magnitude 5,5 atingiu esta quinta-feira o sul do Irão, perto de uma unidade nuclear, abalando o Bahrein e outras áreas ao redor do Golfo Pérsico, segundo o Serviço Geológico dos EUA.

  • Princesa do Dubai que estava em fuga foi levada de volta a casa

    Mundo

    Latifa Mohamed al Maktoum, uma das filhas do emir do Dubai e primeiro-ministro dos Emirados Árabes Unidos, estava em fuga desde março. Latifa tinha partilhado um vídeo onde revelava que ia fugir e explicava os motivos. Fonte próxima do Governo do Dubai garantiu que a princesa foi levada de volta a casa.

    SIC

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.