sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Moody´s baixa "rating" da Grécia para "Caa4" com perspetiva negativa

A agência de "rating" Moody's baixou hoje a notação da dívida soberana grega de "Caa1" para "Caa2" e manteve a perspetiva negativa, devido à incerteza em relação às possibilidades do país honrar os pagamentos e à debilidade da economia.         

© Kostas Tsironis / Reuters

Num comunicado, a agência britânica sublinha que a desvalorização da notação resulta da "elevada incerteza" em relação ao facto de o Governo estar em condições de chegar a um acordo com os credores em tempo útil para fazer face aos próximos pagamentos. 

Segundo a Moody´s, a esta incerteza junta-se a debilidade da economia e o ambiente político "frágil" que põe em causa a aplicação de um programa de financiamento a médio prazo. 

As negociações entre o Governo grego e os parceiros europeus avançaram muito pouco nos últimos meses, mas ultimamente houve alguns sinais de progressos em relação à obtenção de um acordo. 

Contudo, as margens foram reduzidas significativamente, enquanto as duas partes estão longe de um acordo que restaure, ainda que temporariamente, o financiamento da economia grega. 

Atualmente faz falta uma clara "vontade política" para chegar a um acordo, mas o resultado das negociações continua a ser muito incerto e o risco de uma saída da Grécia da zona euro por "acidente" aumentou, conclui a Moody´s.  

A notação de "Caa2" é atribuída pela Moody´s a títulos que apresentam um risco muito forte de crédito, mas é superior à apresentada numa situação de incumprimento. 

Contudo, a perspetiva negativa atribuida pela Moody´s significa que o "rating" [avaliação] poderá baixar de novo a partir de agora se as negociações se mantiverem num impasse. 

Lusa
  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Dono de fábrica que ardeu na Anadia diz que produção não vai ser afetada
    2:04
  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52