sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Relações com Bruxelas dominam primeiros 100 dias do Governo de esquerda na Grécia

As negociações com o Eurogrupo e o provável anúncio de um acordo entre Bruxelas e Atenas dominaram os primeiros 100 dias do governo de Alexis Tsipras, o líder da esquerda radical grega. 

© Kostas Tsironis / Reuters

A vitória eleitoral do SYRIZA, a 25 de janeiro, que concorreu às legislativas antecipadas com base num programa antiausteridade, foi um reflexo de esperança e desespero num país sob intervenção da 'troika' internacional desde 2010, em prolongada recessão, dívida pública descontrolada, taxa de desemprego em redor dos 27%, um terço da população no limiar da pobreza.   

 "O fim da 'troika' e das políticas recessivas" foi provavelmente um anúncio extemporâneo por parte dos novos dirigentes gregos, quando o país tentava desesperadamente desbloquear 7,2 mil milhões de euros do segundo empréstimo internacional, a última parcela de um resgate total de 240 mil milhões de euros e quando o país não recebe qualquer empréstimo desde agosto. 

As conversações com o "grupo de Bruxelas" -- a nova designação atribuída aos credores internacionais --, e com o Eurogrupo, protagonizadas pelo mediático ministro das Finanças grego Yanis Varoufakis, foram assinaladas por momentos de grande tensão. 

E um primeiro acordo anunciado em 20 de fevereiro, que admitia o prolongamento da ajuda financeira da União Europeia (UE) caso Atenas prosseguisse as reformas exigidas, acabou por ficar bloqueado durante as "discussões técnicas".  

Em paralelo, e apesar de continuar a cumprir as suas obrigações financeiras com os credores, o Governo de Tsipras repetia as "linhas vermelhas" que tinha fixado na negociação: reforma do mercado de trabalho, diminuição das pensões de reforma, as modalidades das privatizações e o aumento do IVA. 

O crescente isolamento do ministro das Finanças grego entre os seus parceiros europeus, confirmada na reunião de Riga do Eurogrupo, levou Atenas a optar por remodelar em 27 de abril a equipa negocial para garantir uma melhor comunicação com Bruxelas. 

A "despromoção" de Varoufakis foi sentida como uma vitória pela "linha dura" do Eurogrupo, liderada pela Alemanha. 

No entanto, o novo coordenador nas conversações com os europeus, o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros Euclid Tsakalotos, é um destacado membro do partido da esquerda radical, e o próprio Tsipras já admitiu a realização de um referendo no país em torno de medidas a adotar exigidas pelos parceiros europeus, e que contrariem o programa eleitoral do SYRIZA. 



Lusa
  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.