sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Relações com Bruxelas dominam primeiros 100 dias do Governo de esquerda na Grécia

As negociações com o Eurogrupo e o provável anúncio de um acordo entre Bruxelas e Atenas dominaram os primeiros 100 dias do governo de Alexis Tsipras, o líder da esquerda radical grega. 

© Kostas Tsironis / Reuters

A vitória eleitoral do SYRIZA, a 25 de janeiro, que concorreu às legislativas antecipadas com base num programa antiausteridade, foi um reflexo de esperança e desespero num país sob intervenção da 'troika' internacional desde 2010, em prolongada recessão, dívida pública descontrolada, taxa de desemprego em redor dos 27%, um terço da população no limiar da pobreza.   

 "O fim da 'troika' e das políticas recessivas" foi provavelmente um anúncio extemporâneo por parte dos novos dirigentes gregos, quando o país tentava desesperadamente desbloquear 7,2 mil milhões de euros do segundo empréstimo internacional, a última parcela de um resgate total de 240 mil milhões de euros e quando o país não recebe qualquer empréstimo desde agosto. 

As conversações com o "grupo de Bruxelas" -- a nova designação atribuída aos credores internacionais --, e com o Eurogrupo, protagonizadas pelo mediático ministro das Finanças grego Yanis Varoufakis, foram assinaladas por momentos de grande tensão. 

E um primeiro acordo anunciado em 20 de fevereiro, que admitia o prolongamento da ajuda financeira da União Europeia (UE) caso Atenas prosseguisse as reformas exigidas, acabou por ficar bloqueado durante as "discussões técnicas".  

Em paralelo, e apesar de continuar a cumprir as suas obrigações financeiras com os credores, o Governo de Tsipras repetia as "linhas vermelhas" que tinha fixado na negociação: reforma do mercado de trabalho, diminuição das pensões de reforma, as modalidades das privatizações e o aumento do IVA. 

O crescente isolamento do ministro das Finanças grego entre os seus parceiros europeus, confirmada na reunião de Riga do Eurogrupo, levou Atenas a optar por remodelar em 27 de abril a equipa negocial para garantir uma melhor comunicação com Bruxelas. 

A "despromoção" de Varoufakis foi sentida como uma vitória pela "linha dura" do Eurogrupo, liderada pela Alemanha. 

No entanto, o novo coordenador nas conversações com os europeus, o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros Euclid Tsakalotos, é um destacado membro do partido da esquerda radical, e o próprio Tsipras já admitiu a realização de um referendo no país em torno de medidas a adotar exigidas pelos parceiros europeus, e que contrariem o programa eleitoral do SYRIZA. 



Lusa
  • "Estamos vivos"
    11:41

    Reportagem Especial

    Os incêndios de 15 de outubro provocaram sete milhões de euros de prejuízos em empresas da região Norte. Castelo de Paiva foi o concelho mais atingido, o fogo destruiu várias casas e empresas que davam trabalho a cerca de 200 pessoas. Um mês depois do incêndio, a Reportagem Especial da SIC foi ver o que está a ser feito para ajudar a população.

  • Administrador recebia 420 mil € por ano quando aldeamento passava dificuldades
    4:39

    Operação Marquês

    A Caixa Geral de Depósitos tentou cortar para metade o salário do presidente do Conselho de Administração de Vale do Lobo, mas não conseguiu. Diogo Gaspar Ferreira ganhava 420 mil euros por ano, quando o empreendimento estava enterrado em dívidas. A Autoridade Tributária estima também que o arguido da Operação Marquês não tenha declarado 400 mil euros pagos pelo aldeamento.

  • Estudante português desaparecido no mar Báltico

    País

    Um jovem português de 21 anos desapareceu na segunda-feira, dia 13 de novembro, enquanto fazia uma viagem de cruzeiro entre a cidade finlandesa de Helsínquia e a capital da Suécia, Estocolmo. As autoridades locais fizeram buscas na madrugada em que Diogo Penalva caiu ao mar Báltico, por volta das duas da manhã.

  • Notas e moedas têm os dias contados?
    6:27
  • Marcelo e Costa unidos contra contagem do tempo integral de serviço dos professores
    2:45

    País

    Em menos de 24 horas, o Presidente da República e o primeiro-ministro deram publicamente sinais de que estão unidos contra a contagem de todo o tempo de serviço de professores e outros agentes do Estado para efeitos salariais. Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa disseram que essa possibilidade é uma ilusão e que o país não tem condições para voltar aos níveis anteriores à crise.

  • Político oferece 1,3 milhões por decapitação de atriz

    Mundo

    Deepika Padukone é uma das personagens principais do filme que retrata a relação entre uma rainha hindu e um governante muçulmano. O filme enfureceu um político do Governo indiano, que ofereceu 1,3 milhões de euros como recompensa a quem decapitasse a atriz. A polícia já destacou agentes para proteger a atriz, bem como a sua família.

  • Paris inaugura primeiro restaurante naturista

    Mundo

    Para entrar, é preciso retirar a roupa e apenas as mulheres podem permanecer calçadas. O primeiro restaurante naturista de Paris abriu em novembro para responder a uma necessidade em França, principal destino do mundo para os praticantes de nudismo.

  • Peru faz aparição especial na Casa Branca
    1:10

    Mundo

    Os norte-americanos estão a preparar-se para o tradicional Dia de Ação de Graças, assinalado na próxima quinta-feira. O tradicional peru fez esta terça-feira uma aparição especial na sala de conferências de imprensa, na Casa Branca, em Washington. O peru é o prato tradicional no Dia de Ação de Graças, uma data de louvor a Deus, que remonta ao século XVII e que é celebrada na quarta quinta-feira de novembro, sobretudo nos Estados Unidos da América e no Canadá.

  • Sara Sampaio brilha em Xangai
    1:50