sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Ministro das finanças grego confiante em acordo "rápido" com Eurogrupo

O ministro das Finanças da Grécia, Yanis Varoufakis, afirmou esta sexta-feira, em Madrid, que está confiante de que "rapidamente" se alcançará um acordo no seio da União Europeia para resolver a crise da dívida grega.

O ministro grego das Finanças tem afirmado nos últimos meses que os governos de Espanha e de Portugal têm sido os mais agressivos para com o novo governo grego, eleito no início do ano, que rejeita a 'troika' e defende uma renegociação da dívida grega. (Arquivo)

O ministro grego das Finanças tem afirmado nos últimos meses que os governos de Espanha e de Portugal têm sido os mais agressivos para com o novo governo grego, eleito no início do ano, que rejeita a 'troika' e defende uma renegociação da dívida grega. (Arquivo)

© Eric Vidal / Reuters

Varoufakis, que falava após uma reunião com o ministro da Economia espanhol, Luis de Guindos (que não falou à imprensa no final do encontro), disse que o encontro decorreu "em perfeita harmonia" e com "uma linguagem comum". Varoufakis sublinhou, aliás, que este também foi o tom das reuniões que manteve anteriormente, em Roma, Paris e em Bruxelas.

O ministro grego das Finanças tem afirmado nos últimos meses que os governos de Espanha e de Portugal têm sido os mais agressivos para com o novo governo grego, eleito no início do ano, que rejeita a 'troika' e defende uma renegociação da dívida grega.

Entretanto, Varoufakis deixou de liderar a equipa de negociação grega com os parceiros europeus.

Hoje, Varoufakis mostrou-se confiante de que o encontro com o ministro espanhol possa resultar em avanços nas negociações com o Eurogrupo, na próxima segunda-feira, em Bruxelas. Nessa reunião do Eurogrupo deverão ser abordadas as negociações sobre a extensão do último resgate à Grécia.

Varoufakis disse ainda que tem a esperança que o encontro de hoje "represente mais um passo na direção certa, que é a resolução da crise financeira grega".

O ministro grego, que fez uma declaração à imprensa mas escusou-se a responder a perguntas, declarou que a Grécia e a Espanha partilham um interesse comum: encontrar uma solução para o problema da Grécia.

"A Espanha e a Grécia têm claramente os mesmos interesses [...] sendo que os mais prementes são a resolução da atual crise de liquidez", para que a Grécia "deixe de ser um problema" e que se "abra uma nova era" sem dúvidas quanto a uma "fragmentação da eurozona", disse o ministro grego.

Assim, defendeu "uma nova era marcada pela consolidação da união monetária e pela criação de circunstâncias económicas que permitam ao núcleo e à periferia [da UE], ao norte e ao sul, ao leste e ao oeste, olhar em frente, para criar um mundo de prosperidade partilhada entre todos".

Varoufakis acrescentou que Luis de Guindos lhe "reiterou a sua determinação de que a Espanha estenderá a mão para ajudar a criar as circunstâncias que permitam alcançar esta ideia".

Adiantou também que discutiu com o ministro da economia espanhol várias "questões técnicas", que não especificou.
Lusa
  • Afastada qualquer hipótese de acordo entre a Grécia e o Eurogrupo
    2:22

    Crise na Grécia

    Está afastada qualquer hipótese de acordo com a Grécia no Eurogrupo da próxima segunda-feira. Apesar de admitir progressos, Jeroen Dijsselbloem avisa que ainda há muito trabalho pela frente e diz que não é realista antecipar um entendimento. Atenas mantém a pressão com o alerta para as graves dificuldades de liquidez que atravessa.

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espirito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espirito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo e 1/4 acredita que SIDA transmite-se pelos talheres
    1:42
  • Dissonâncias entre EUA e Europa "podem ser ultrapassadas"
    1:04

    Mundo

    O ministro dos Negócios Estrangeiros reconhece que há sinais manifestos de dissonância na política externa da Europa e dos Estados Unidos da América. No dia em que Donald Trump completa um ano na Casa Branca, Augusto Santos Silva diz que acredita, no entanto, que essas divergências podem ser ultrapassadas.

  • Há mais um suspeito do massacre de Las Vegas 
    0:27

    Mundo

    Em outubro passado, Stephen Paddock abriu fogo sobre os espetadores de um concerto de música country, em Las Vegas, matando 58 pessoas e ferindo quase 500, no mais sangrento tiroteio da história norte-americana recente. A novidade é que a polícia federal dos EUA abriu uma investigação sobre um segundo suspeito no tiroteio. A Polícia Metropolitana disse que não há ainda um motivo para o tiroteio mas aponta como uma das possíveis razões o facto de Stephen Paddock ter perdido uma grande quantia de dinheiro. Os investigadores descobriram ainda que o atirador possuía pornografia infantil no seu computador.