sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Ministro das finanças grego confiante em acordo "rápido" com Eurogrupo

O ministro das Finanças da Grécia, Yanis Varoufakis, afirmou esta sexta-feira, em Madrid, que está confiante de que "rapidamente" se alcançará um acordo no seio da União Europeia para resolver a crise da dívida grega.

O ministro grego das Finanças tem afirmado nos últimos meses que os governos de Espanha e de Portugal têm sido os mais agressivos para com o novo governo grego, eleito no início do ano, que rejeita a 'troika' e defende uma renegociação da dívida grega. (Arquivo)

O ministro grego das Finanças tem afirmado nos últimos meses que os governos de Espanha e de Portugal têm sido os mais agressivos para com o novo governo grego, eleito no início do ano, que rejeita a 'troika' e defende uma renegociação da dívida grega. (Arquivo)

© Eric Vidal / Reuters

Varoufakis, que falava após uma reunião com o ministro da Economia espanhol, Luis de Guindos (que não falou à imprensa no final do encontro), disse que o encontro decorreu "em perfeita harmonia" e com "uma linguagem comum". Varoufakis sublinhou, aliás, que este também foi o tom das reuniões que manteve anteriormente, em Roma, Paris e em Bruxelas.

O ministro grego das Finanças tem afirmado nos últimos meses que os governos de Espanha e de Portugal têm sido os mais agressivos para com o novo governo grego, eleito no início do ano, que rejeita a 'troika' e defende uma renegociação da dívida grega.

Entretanto, Varoufakis deixou de liderar a equipa de negociação grega com os parceiros europeus.

Hoje, Varoufakis mostrou-se confiante de que o encontro com o ministro espanhol possa resultar em avanços nas negociações com o Eurogrupo, na próxima segunda-feira, em Bruxelas. Nessa reunião do Eurogrupo deverão ser abordadas as negociações sobre a extensão do último resgate à Grécia.

Varoufakis disse ainda que tem a esperança que o encontro de hoje "represente mais um passo na direção certa, que é a resolução da crise financeira grega".

O ministro grego, que fez uma declaração à imprensa mas escusou-se a responder a perguntas, declarou que a Grécia e a Espanha partilham um interesse comum: encontrar uma solução para o problema da Grécia.

"A Espanha e a Grécia têm claramente os mesmos interesses [...] sendo que os mais prementes são a resolução da atual crise de liquidez", para que a Grécia "deixe de ser um problema" e que se "abra uma nova era" sem dúvidas quanto a uma "fragmentação da eurozona", disse o ministro grego.

Assim, defendeu "uma nova era marcada pela consolidação da união monetária e pela criação de circunstâncias económicas que permitam ao núcleo e à periferia [da UE], ao norte e ao sul, ao leste e ao oeste, olhar em frente, para criar um mundo de prosperidade partilhada entre todos".

Varoufakis acrescentou que Luis de Guindos lhe "reiterou a sua determinação de que a Espanha estenderá a mão para ajudar a criar as circunstâncias que permitam alcançar esta ideia".

Adiantou também que discutiu com o ministro da economia espanhol várias "questões técnicas", que não especificou.
Lusa
  • Afastada qualquer hipótese de acordo entre a Grécia e o Eurogrupo
    2:22

    Crise na Grécia

    Está afastada qualquer hipótese de acordo com a Grécia no Eurogrupo da próxima segunda-feira. Apesar de admitir progressos, Jeroen Dijsselbloem avisa que ainda há muito trabalho pela frente e diz que não é realista antecipar um entendimento. Atenas mantém a pressão com o alerta para as graves dificuldades de liquidez que atravessa.

  • A menina síria que relata a guerra no Twitter está bem, diz o pai

    Mundo

    Bana Alabed, a menina síria de 7 anos que conta no Twitter a luta pela sobrevivência e os horrores da guerra em Alepo, teve de abandonar a sua casa que foi bombardeada mas está bem, disse hoje o seu pai à Agência France Press. A conta esteve fechada desde domingo, mas foi entretanto reativada e tem hoje uma nova publicação de Bana.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.