sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Merkel diz que ainda "há muito a fazer" para acordo sobre dívida grega

A chanceler alemã disse hoje que há muito para fazer até se chegar a acordo com a Grécia sobre o prosseguimento da ajuda financeira, numa altura em que se arrastam as negociações e os receios de Atenas ficar sem dinheiro. 

© Ints Kalnins / Reuters

O Governo de esquerda grego liderado pelo primeiro-ministro Alexis Tsipras está em negociações para obter novo financiamento junto dos credores internacionais, que pedem mais medidas de austeridade em troca. 

Tsipras, a chancelar alemã, Angela Merkel, e o Presidente francês, François Hollande, reuniram-se na noite de quinta-feira à margem da IV Cimeira da Parceria Oriental, na capital da Letónia, mas as suas discussões não surtiram avanços. 

"Foi um diálogo muito amigável e construtivo", disse Merkel hoje, quando hoje se dirigia para a cimeira. 

"Mas é claro, o trabalho com as três instituições tem de continuar. Há muito para fazer", afirmou, referindo a União Europeia, Banco Central e Fundo Internacional Monetário.

Merkel disse que ela e Hollande ofereceram ajuda a Tsipras, caso este necessitasse durante as negociações, mas que dependia da Grécia chegar a acordo com os três credores. 

"A conclusão tem de ser encontrada com as três instituições e tem de ser trabalhada muito, muito intensamente", acrescentou.

Tsipras disse que estava "muito otimista", à chegada à cimeira hoje,e não quis fazer mais comentários.


Lusa

  • Passos lamenta que ainda não haja acordo entre a Grécia e os credores
    1:58

    Economia

    A Grécia domina as atenções na Cimeira Europeia que se realiza na Letónia e onde está o primeiro-ministro português. Pedro Passos Coelho disse lamentar que não haja sinais de que o entendimento entre a Grécia e os credores "esteja próximo de ser alcançado". Em Riga, Passos disse, no entanto, esperar que o acordo possa ser alcançado e alertou para a escassez do tempo.

  • Tribunal de Contas apresentou reservas em relação ao SIRESP em 2006

    Tragédia em Pedrógão Grande

    O Tribunal de Contas avisou em 2006 que o Estado poderia sair prejudicado nos moldes em que o Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP) estava a ser desenhado. De acordo com a edição de hoje do Jornal de Notícias, terão sido a ausência de um concurso público, a falta de tempo para a apresentação de propostas e mexidas no caderno de encargos a motivar as reservas do tribunal.

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • Chef russo aconselha bife tártaro aos jogadores portugueses
    1:29
  • Bispo do Mali terá contas na Suíça com 12 M€
    1:49

    Mundo

    Há uma polémica a envolver um novo cardeal da Igreja católica. Um bispo do Mali, escolhido pelo Papa para o colégio cardinalício, está a ser relacionado com contas na Suíça onde estarão depositados milhões de euros. A cerimónia que o fará cardeal está marcada para hoje.

  • Confirmada prisão dos portugueses que gravaram nome no portão de Auschwitz

    Mundo

    Dois adolescentes católicos portugueses foram condenados a um ano de prisão com pena suspensa, por terem gravado os nomes na porta da entrada principal de Auschwitz-Birkenau. O tribunal de primeira instância de Oswiecim já tinha condenado os jovens e o tribunal de Cracóvia confirmou esta quarta-feira a pena aplicada.