sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

"Ainda há muito trabalho por fazer" para acordo com a Grécia, diz Lagarde

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, advertiu hoje que "ainda há muito trabalho por fazer" para que se possa alcançar um acordo entre a Grécia e os credores internacionais.      

© Yves Herman / Reuters

Lagarde fez estas declarações numa entrevista realizada hoje em Dresden, leste da Alemanha, realizada pela cadeia pública de televisão ARD, juntando-se aos diferentes posicionamentos, por vezes contraditórios, que se produziram nas últimas horas em torno da crise das finanças públicas gregas. 

"Há avanços claros em diferentes áreas, mas ainda há muito trabalho por fazer", assegurou a diretora do FMI sobre a evolução das negociações de Atenas com o grupo de Bruxelas, que inclui além do FMI, a Comissão Europeia e o Banco Central europeu (BCE). 

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, assegurou na quarta-feira que as negociações se encontravam "perto de um acordo", informação que foi posteriormente desmentida tanto pela CE como pelo ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, que assegurou na ARD que as conversações "não avançaram muito". 

Neste sentido, Lagarde afirmou: "Estamos ainda a trabalhar, De tal forma que não diria que alcançamos resultados firmes para nos encontrarmos no final do processo". 

A responsável do FMI está em Dresden para participar na reunião dos ministros das Finanças do G7, um foro informal que inclui os Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, França, Itália, Japão e Canadá. 

Lagarde garantiu ter uma "boa sensação" de que o Governo grego cumprirá as suas obrigações pendentes com o FMI, ao qual tem de devolver em junho 1.500 milhões de euros do segundo resgate à Grécia. 

"É uma dívida que têm em relação à comunidade internacional. É uma questão de respeito", sublinhou depois de defender que há países membros do FMI que são mais pobres do que a Grécia. 

A diretora do FMI disse ainda que as tentativas da instituição que lidera para devolver à Grécia o caminho do crescimento e da sustentabilidade financeira são "equilibrados e respeitosos".

A crise da Grécia não será um assunto em debate na reunião dos ministros da Economia do G7, que arrancou na quarta-feira e se prolonga até sexta-feira, mas claro que estará na agenda, reconheceu esta semana o ministro das Finanças alemão. 

De facto, vários dos principais atores desta crise da Grécia vão estar em Dresden, incluindo a diretora do FMI, Christine Lagarde, o presidente do Eurogrupo, Jeroem Dijsselbloem, o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, e o comissário europeu de Economia e Finanças, Pierre Moscovici.

Oficialmente, a agenda do encontro vai estar centrada na recuperação da economia global, a fraude fiscal e a luta contra redes de financiamento do terrorismo.


Lusa
  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • Provavelmente o melhor golo da noite de Liga Europa
    1:24
  • Vitória de Guimarães mais longe dos 16 avos de final
    1:48
  • O perfil dos novos ministros
    3:22

    País

    Pedro Siza Vieira e Eduardo Cabrita são os dois novos ministros que tomam posse no próximo sábado. Ambos têm uma particularidade: são amigos de longa data do primeiro-ministro António Costa.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • Fogos na Califórnia provocaram 42 mortos e perdas acima de mil milhões de dólares

    Mundo

    O comissário dos seguros da Califórnia afirmou esta quinta-feira que as perdas provocadas pelos incêndios que dizimaram extensas áreas deste Estado norte-americano excedem os mil milhões de dólares (844 milhões de euros). Estes incêndios, que começaram no condado de Sonoma County, já provocaram a morte a 42 pessoas no mês de outubro.