sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Atenas tem fundos para pagar ao FMI, mas Governo ainda não deu ordem

A Grécia dispõe de fundos suficientes para fazer frente na próxima sexta-feira ao pagamento de 305 milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional (FMI), mas o Governo grego ainda não deu a ordem para transferir o dinheiro. 

© Murad Sezer / Reuters

Segundo fontes da Agência de Gestão da Dívida Pública grega (PDMA, nas siglas em inglês), citadas pela EFE, tanto o dinheiro de quinta-feira como a parcela de 335 milhões de euros que vence a 12 de junho, estão disponíveis, mas a decisão de fazer ou não os pagamentos "é política".        

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, deixou entrever em Bruxelas que a Grécia efetuaria o pagamento. 

Questionado sobre se a Grécia poderia fazer frente ao pagamento ao FMI na sexta-feira, Tsipras respondeu: "Não se preocupem com isso. Já pagámos 7.500 milhões" de euros para cumprir com obrigações financeiras. 

Contudo, o facto de na reunião realizada na quarta-feira com o presidente da Comissão Europeia (CE), Jean-Claude Juncker, não ter saído um acordo deixa aberta a incerteza sobre o pagamento, pois dias antes diversos dirigentes do Syriza tinham assegurado que o pagamento só seria feito em caso de haver pelo menos uma perspetiva de acordo. 

 O porta-voz do grupo parlamentar, Nikos Filis, sublinhou de novo na quarta-feira que não poderá haver pagamento sem uma "perspetiva" de um acordo nas próximas sexta-feira ou segunda-feira. 

Segundo indicam hoje vários meios locais, Tsipras prevê celebrar na sexta-feira uma nova reunião com Juncker e com o presidente do Eurogrupo, Geroen Dijsselbloem, numa nova tentativa de desbloquear o resgate de 7.200 milhões, sem o qual a médio prazo a Grécia não poderá continuar a cumprir os seus compromissos internacionais. 

No total, a Grécia deve pagar em junho 1.600 milhões de euros ao FMI: a primeira parcela na sexta-feira, a segunda no dia 12 de junho, a terceira a 16 de junho e a última a 19 de junho. 

A estes pagamentos ao FMI, juntam-se 2.800 milhões de euros de gastos correntes mensais, dos quais cerca de 680 milhões de euros deverão ser pagos em salários a funcionários a 12 de junho. 

Depois da reunião de quarta-feira, Tsipras sublinhou que nos termos apresentados pelos sócios não existia base suficiente para chegar a um acordo, mas mostrou-se otimista em relação à conclusão de um compromisso nos próximos dias. 


Lusa
  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.