sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Tsipras acredita que estará "mais próximo" um acordo nos próximos dias

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, disse hoje que acredita que nos próximos dias a Grécia ficará mais próxima de um acordo com os credores e que as negociações continuarão agora com base em "propostas realistas".

(AP/ Arquivo)

(AP/ Arquivo)

Geert Vanden Wijngaert

Tsipras reuniu-se hoje à noite em Bruxelas com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, tendo depois havido um jantar em que também participou o presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselboem.

No final, numa curta declaração aos jornalistas, afirmou que o encontro decorreu num "clima amigável" e que serviu para "trocar pontos de vista".

"Acredito que nos próximos dias estaremos mais próximos de um acordo", declarou o governante grego, acrescentando que estará mesmo próximo um entendimento sobre o excedente orçamental primário (sem juros da dívida).

Afirmou ainda que, nesta negociação, é necessário "não fazer os mesmos erros do passado", em que foram seguidas políticas de austeridade duras, mas trabalhar num acordo com base em "pontos de vistas realistas", que são as propostas do Governo grego.

Já sobre se os cofres públicos gregos têm dinheiro para pagar 300 milhões de euros na próxima sexta-feira ao Fundo Monetário Internacional, disse apenas: "Não se preocupem com isso".


Lusa
  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.