sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Rádio e televisão pública grega retomam emissões dois anos após encerramento

A sigla ERT da radiotelevisão pública da Grécia reapareceu hoje nos ecrãs, dois anos depois do encerramento forçado pelo anterior Governo, por alegada má gestão e falta de transparência. 

© Alkis Konstantinidis / Reuter

As letras brancas sobre o fundo azul da ERT surgiram nos ecrãs às 06:00 (03:00), enquanto tocava o hino nacional grego. 

Um programa informativo marcou o início da emissão, animada por um casal de apresentadores que exprimiram a "emoção" de voltarem a estar "no ar", dois anos após a extinção das estações de televisão e rádios públicas ERT, a 11 de junho de 2013.

A reabertura da ERT foi uma das promessas eleitorais do Governo liderado por Alexis Tsipras.

Uma lei recente que permitiu a reabertura da ERT prevê a reintegração dos antigos funcionários que assim o desejem. Em junho de 2013 eram 2.600 funcionários. 

Uma fonte do Ministério da Informação disse à AFP que até segunda-feira, 1.600 pessoas manifestaram o desejo de aderir à estrutura. As candidaturas estão abertas até 16 de junho.

O custo operacional do novo grupo ascende a 60 milhões de euros por ano e será cobertos por taxa, fixada em três euros por mês, de acordo com a lei.

Encerrada no âmbito da política de austeridade imposta pela 'troika' de credores, a ERT foi substituída em 2014 pelo Nerit, com apenas 500 trabalhadores, cerca de um quinto do pessoal empregado pela ERT. 

O encerramento da ERT provocou uma série de protestos em frente do edifício da estação, apoiados na altura pelo Syriza, e foi condenado pela União Europeia de Radiotelevisão (UER), que reúne as rádios e televisões públicas europeias.

Lusa
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.