sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Tsipras diz que se a Europa insistir com exigências tem de lidar com consequências

Tsipras diz que se a Europa insistir com exigências tem de lidar com consequências

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, afirmou hoje que se a Grécia não alcançar um acordo "sustentável" com os credores, os dirigentes europeus terão que suportar as consequências de um "não" da Grécia.

"Queremos uma solução que garanta a sobrevivência económica", afirmou Tsipras que falava em Atenas, numa conferência de imprensa conjunta com o chanceler austríaco, Werner Faymann.

Tsipras afirmou que se os parceiros insistirem em exigências "exageradas", como o corte de 1.800 milhões de euros nas pensões ou um aumento do IVA para medicamentos e eletricidade, o Governo e o Parlamento grego dirão "não" em nome da Grécia.

O primeiro-ministro grego disse também que caso não se alcance um compromisso que seja sustentável para a economia, não convocará eleições antecipadas ou um referendo e assumirá pessoalmente a "responsabilidade de dizer 'não' em nome da Grécia", em cooperação com o Governo e o Parlamento.

Sobre o tema das pensões, uma das questões que mais divergências tem provocado, Tsipras afirmou que o país propôs uma série de medidas para tornar mais sustentável o sistema, com a eliminação paulatina das pré-reformas, mas reconheceu que é um processo que vai levar algum tempo.

O chanceler austríaco disse, por sua vez, que na reunião com Tsipras obteve informações que mostram a vontade da Grécia de apresentar medidas alternativas e de fazer reformas e manifestou o seu apoio a "todos os que querem chegar a um compromisso".

Em Paris, o ministro das Finanças francês, Michel Sapin, considerou que um fracasso das negociações com a Grécia seria "extremamente grave para o projeto europeu".


Com Lusa
  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18