sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Tsipras garante que supera objetivos pretendidos pelos credores para 2015 e 2016

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, estimou esta segunda-feira que as propostas do seu Governo relativas aos orçamentos de 2015 e 2016 "ultrapassam os objetivos" pretendidos pelos credores relativos aos excedentes primários.

O chefe do Governo de Atenas explica que para atingir um excedente orçamental primário, isto é, o saldo orçamental depois de excluído o serviço da dívida, equivalente a 1% do produto interno bruto (PIB) em 2015 e 2% em 2016, que parece ser a pretensão dos credores União Europeia e Fundo Monetário Internacional, estes preconizaram que os gregos tomassem medidas orçamentais equivalentes a 1,5% do PIB em 2015 e 2,5% em 2016.

O chefe do Governo de Atenas explica que para atingir um excedente orçamental primário, isto é, o saldo orçamental depois de excluído o serviço da dívida, equivalente a 1% do produto interno bruto (PIB) em 2015 e 2% em 2016, que parece ser a pretensão dos credores União Europeia e Fundo Monetário Internacional, estes preconizaram que os gregos tomassem medidas orçamentais equivalentes a 1,5% do PIB em 2015 e 2,5% em 2016.

JULIEN WARNAND / Lusa

Em carta enviada ao presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, a que a agência noticiosa AFP teve acesso, Tsipras convida-o a ver a "lista completa" das reformas propostas pelo governo grego no quadro da extensão do programa de assistência financeira à Grécia decidida em 20 de janeiro. 

"Quero também informar-vos de que a resposta do governo grego às pretensões das instituições para cobrir os défices orçamentais de 2015-2016 foi absoluta e completa", garantiu Tsipras.

O chefe do Governo de Atenas explica que para atingir um excedente orçamental primário, isto é, o saldo orçamental depois de excluído o serviço da dívida, equivalente a 1% do produto interno bruto (PIB) em 2015 e 2% em 2016, que parece ser a pretensão dos credores União Europeia e Fundo Monetário Internacional, estes preconizaram que os gregos tomassem medidas orçamentais equivalentes a 1,5% do PIB em 2015 e 2,5% em 2016. 

Ora, especificou Tsipras, as propostas gregas equivalem a um aumento das receitas públicas em 1,51% do PIB em 2015 e 2,87% em 2016.

Por outro lado, Tsipras anunciou que o governo grego sugeriu medidas de natureza "administrativa", equivalentes a 0,91% do PIB em 2015 e 1,31% em 2016. 

"Perante os factos aqui enunciados (...) está claro que não há derrapagens orçamentais e que os objetivos prescritos foram ultrapassados", assegurou. 
Lusa
  • José Gomes Ferreira diz que Governo grego acabou por aceitar a austeridade
    0:51

    Economia

    José Gomes Ferreira lembra que a Grécia foi, de facto, ajudada pelos credores internacionais e que agora acaba mesmo por aceitar a austeridade, que era algo que o Governo de Atenas não queria. Os mercados, diz José Gomes Ferreira, acreditam na possibilidade de um acordo, tendo em conta a última proposta que foi entregue ao comité técnico do Eurogrupo.

  • Sousa Tavares diz que braço de ferro acaba na derrota do Syriza
    1:05

    Crise na Grécia

    Miguel Sousa Tavares, que esteve recentemente na Grécia, lembra que a responsabilidade da situação a que o país chegou é de Atenas, mas também de quem emprestou o dinheiro, e acrescenta que os gregos não querem sair da moeda única nem da União Europeia. por isso, nesta altura, a derrota é sobretudo do Syriza, partido que chegou ao governo a prometer aquilo que não podia cumprir.

  • Passos lembra que escolhas políticas ficam limitadas em emergência financeira
    0:56

    Economia

    Passos Coelho confirma que as instituições europeias vão continuar a trabalhar nas próximas horas para que seja possível chegar a um acordo com a Grécia. No final da cimeira extraordinária de líderes da Zona Euro, o primeiro-ministro lembrou que é preciso uma solução duradoura para a crise grega e avisa que, num contexto de emergência, é preciso abdicar de algumas escolhas políticas.

  • Juncker garante que acordo entre credores e Grécia será alcançado na quarta-feira
    1:06

    Economia

    O presidente da Comissão Europeia garante que a Grécia e os credores vão chegar a um acordo já na próxima quarta-feira, numa nova reunião do Eurogrupo. Jean-Claude Juncker sublinha que as novas medidas apresentadas pelo Governo grego são um passo muito positivo, que vai ao encontro das exigências dos credores. O presidente da Comissão Europeia anunciou ainda a extensão do resgate à Grécia e uma ajuda financeira de 35 mil milhões de euros até 2020.

  • Passos admite que não queria ver Portugal no lugar da Grécia
    1:06

    Economia

    O primeiro-ministro português lembrou esta segunda-feira que ninguém vive num mundo perfeito e que também Portugal teve de adotar medidas difíceis para cumprir o programa de ajuda financeira. Ainda assim, Passos Coelho acredita que não há um tratamento favorável à Grécia e diz mesmo que não queria estar no lugar dos gregos.

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".