sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Tsipras garante que supera objetivos pretendidos pelos credores para 2015 e 2016

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, estimou esta segunda-feira que as propostas do seu Governo relativas aos orçamentos de 2015 e 2016 "ultrapassam os objetivos" pretendidos pelos credores relativos aos excedentes primários.

O chefe do Governo de Atenas explica que para atingir um excedente orçamental primário, isto é, o saldo orçamental depois de excluído o serviço da dívida, equivalente a 1% do produto interno bruto (PIB) em 2015 e 2% em 2016, que parece ser a pretensão dos credores União Europeia e Fundo Monetário Internacional, estes preconizaram que os gregos tomassem medidas orçamentais equivalentes a 1,5% do PIB em 2015 e 2,5% em 2016.

O chefe do Governo de Atenas explica que para atingir um excedente orçamental primário, isto é, o saldo orçamental depois de excluído o serviço da dívida, equivalente a 1% do produto interno bruto (PIB) em 2015 e 2% em 2016, que parece ser a pretensão dos credores União Europeia e Fundo Monetário Internacional, estes preconizaram que os gregos tomassem medidas orçamentais equivalentes a 1,5% do PIB em 2015 e 2,5% em 2016.

JULIEN WARNAND / Lusa

Em carta enviada ao presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, a que a agência noticiosa AFP teve acesso, Tsipras convida-o a ver a "lista completa" das reformas propostas pelo governo grego no quadro da extensão do programa de assistência financeira à Grécia decidida em 20 de janeiro. 

"Quero também informar-vos de que a resposta do governo grego às pretensões das instituições para cobrir os défices orçamentais de 2015-2016 foi absoluta e completa", garantiu Tsipras.

O chefe do Governo de Atenas explica que para atingir um excedente orçamental primário, isto é, o saldo orçamental depois de excluído o serviço da dívida, equivalente a 1% do produto interno bruto (PIB) em 2015 e 2% em 2016, que parece ser a pretensão dos credores União Europeia e Fundo Monetário Internacional, estes preconizaram que os gregos tomassem medidas orçamentais equivalentes a 1,5% do PIB em 2015 e 2,5% em 2016. 

Ora, especificou Tsipras, as propostas gregas equivalem a um aumento das receitas públicas em 1,51% do PIB em 2015 e 2,87% em 2016.

Por outro lado, Tsipras anunciou que o governo grego sugeriu medidas de natureza "administrativa", equivalentes a 0,91% do PIB em 2015 e 1,31% em 2016. 

"Perante os factos aqui enunciados (...) está claro que não há derrapagens orçamentais e que os objetivos prescritos foram ultrapassados", assegurou. 
Lusa
  • José Gomes Ferreira diz que Governo grego acabou por aceitar a austeridade
    0:51

    Economia

    José Gomes Ferreira lembra que a Grécia foi, de facto, ajudada pelos credores internacionais e que agora acaba mesmo por aceitar a austeridade, que era algo que o Governo de Atenas não queria. Os mercados, diz José Gomes Ferreira, acreditam na possibilidade de um acordo, tendo em conta a última proposta que foi entregue ao comité técnico do Eurogrupo.

  • Sousa Tavares diz que braço de ferro acaba na derrota do Syriza
    1:05

    Crise na Grécia

    Miguel Sousa Tavares, que esteve recentemente na Grécia, lembra que a responsabilidade da situação a que o país chegou é de Atenas, mas também de quem emprestou o dinheiro, e acrescenta que os gregos não querem sair da moeda única nem da União Europeia. por isso, nesta altura, a derrota é sobretudo do Syriza, partido que chegou ao governo a prometer aquilo que não podia cumprir.

  • Passos lembra que escolhas políticas ficam limitadas em emergência financeira
    0:56

    Economia

    Passos Coelho confirma que as instituições europeias vão continuar a trabalhar nas próximas horas para que seja possível chegar a um acordo com a Grécia. No final da cimeira extraordinária de líderes da Zona Euro, o primeiro-ministro lembrou que é preciso uma solução duradoura para a crise grega e avisa que, num contexto de emergência, é preciso abdicar de algumas escolhas políticas.

  • Juncker garante que acordo entre credores e Grécia será alcançado na quarta-feira
    1:06

    Economia

    O presidente da Comissão Europeia garante que a Grécia e os credores vão chegar a um acordo já na próxima quarta-feira, numa nova reunião do Eurogrupo. Jean-Claude Juncker sublinha que as novas medidas apresentadas pelo Governo grego são um passo muito positivo, que vai ao encontro das exigências dos credores. O presidente da Comissão Europeia anunciou ainda a extensão do resgate à Grécia e uma ajuda financeira de 35 mil milhões de euros até 2020.

  • Passos admite que não queria ver Portugal no lugar da Grécia
    1:06

    Economia

    O primeiro-ministro português lembrou esta segunda-feira que ninguém vive num mundo perfeito e que também Portugal teve de adotar medidas difíceis para cumprir o programa de ajuda financeira. Ainda assim, Passos Coelho acredita que não há um tratamento favorável à Grécia e diz mesmo que não queria estar no lugar dos gregos.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.