sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

PPE quer saber como Tsipras fará passar eventual acordo no Parlamento

O líder parlamentar do Partido Popular Europeu (PPE) afirmou hoje que não se deve sobrestimar as propostas apresentadas pela Grécia e instou o primeiro-ministro grego a "esclarecer como pretende que o Parlamento grego aprove as medidas".

© Kostas Tsironis / Reuters

Sustentando que as propostas apresentadas por Atenas são apenas "o ponto de partida para futuras discussões", Manfred Weber, presidente da maior família política no Parlamento Europeu -- que integra PSD e CDS-PP -, apontou que, "devido à sua atitude nos últimos meses, o governo grego perdeu bastante confiança da parte dos seus parceiros, que agora necessita de reconquistar".

Para o líder parlamentar do PPE, o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, "precisa agora de mostrar a sua vontade de implementar reformas profundas no seu país" e, "no caso de se chegar a um acordo, também deverá esclarecer como pretende que o parlamento grego aprove as medidas acordadas". 

"A solidariedade só será possível se o governo grego assumir a sua responsabilidade", concluiu.

Na sequência das propostas apresentadas na segunda-feira de manhã pelo governo grego, decorrem neste momento reuniões técnicas entre representantes do governo de Tsipras e as instituições credoras -- Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional --, com vista a que estas façam uma avaliação detalhada das medidas, julgadas à partida "uma boa base" para que seja finalmente alcançado um acordo.

Com base na avaliação das instituições, os ministros das Finanças da zona euro voltarão a reunir-se na quarta-feira, podendo um acordo sobre a continuação da ajuda à Grécia ser "fechado" também ao nível de chefes de Estado e de Governo por ocasião da cimeira agendada para quinta e sexta-feira em Bruxelas, poucos dias antes de expirar o atual programa de assistência financeira e de a Grécia ter de pagar 1,6 mil milhões de euros ao FMI.

As propostas apresentadas pelo governo grego incluem medidas de austeridade reclamadas pelos parceiros e credores internacionais de Atenas, como aumentos das receitas fiscais e nas contribuições das pensões, que poderão suscitar reservas dentro do próprio partido de esquerda Syriza, liderado por Tsipras.


Lusa
  • Futuro acordo para a Grécia terá de ser aprovado no Parlamento de Atenas

    Crise na Grécia

    As negociações com Atenas para desbloquear o empréstimo dos credores internacionais prosseguem. Amanhã há nova reunião do Eurogrupo. Os líderes europeus aplaudiram as novas medidas de consolidação orçamental apresentas pelo Executivo grego e admitem que foram feitos progressos.  Ainda assim, ontem a reunião do Eurogrupo e a Cimeira extraordinária terminaram sem acordo e, mesmo que se chegue a consenso em Bruxelas, o plano ainda tem de ser aprovado no Parlamento grego, onde o Syriza não tem maioria absoluta.   

  • Acordo final pode permitir devolução de 1,9 mil M€ à Grécia
    2:21

    Crise na Grécia

    Não houve acordo sobre a Grécia mas mantém-se a esperança que ele possa chegar ainda esta semana. Em Bruxelas, os chefes de Estado e de Governo da zona euro fizeram pressão para que um entendimento seja alcançado até ao final de amanhã. Um acordo que permitiria aos gregos receberem antes do fim do mês os lucros que o BCE e os bancos centrais nacionais da zona euro fizeram com a dívida grega em 2014.

  • ANACOM apresenta recomendações para melhorar redes de telecomunicações
    1:17

    País

    A ANACOM entregou um conjunto de recomendações ao Governo, Parlamento, municípios e operadores de telecomunicações. A autoridade reguladora em Portugal das comunicações eletrónicas propõe que os cabos aéreos de telecomunicações sejam substituídos por cabos subterrâneos, entre outras coisas. O objetivo é impedir que as redes fiquem em baixo perante incêndios ou outras catástrofes.

  • Ministra do Mar não aceita suspensão da pesca da sardinha
    2:39

    Economia

    O organismo científico que aconselha a Comissão Europeia em matéria de pescas recomendou esta sexta-feira que Portugal e Espanha não pesquem sardinha no próximo ano. A Ministra do Mar não aceita esta recomendação de capturas zero e vai propor uma redução do limite de capturas de sardinha das 17 mil toneladas deste ano para cerca de 14 mil em 2018.

  • Atividade económica regista crescimento

    Economia

    A atividade económica portuguesa está a crescer ao maior ritmo dos últimos 17 anos. O crescimento registado em setembro é o mais elevado desde janeiro de 2000. Já o consumo privado registou uma diminuição face a agosto.

    SIC