sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

China espera que Atenas "saia depressa" da crise

A China manifestou-se hoje esperançada que a Grécia possa "sair depressa" da atual crise e reafirmou o apoio a uma "zona euro forte". 

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Yannis Behrakis / Reuters

"Esperamos que as negociações e as consultas acerca da crise da divida grega avancem de modo a que Grécia saia da crise tão depressão quanto possível", disse o porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros, Lu Kang, em resposta à uma pergunta da agência Lusa em Pequim. 


"A China sempre foi a favor de uma zona euro forte", acrescentou. 


Segunda economia mundial, com as maiores reservas cambiais do planeta, estimadas em mais de três biliões de dólares, a China é também um importante parceiro económico da Grécia. 


A exploração de dois terminais de contentores do porto do Pireu, nos arredores de Atenas, foi entregue em 2010 à China Ocean Shipping Group (Cosco), através de um contrato de 'leasing' de 35 anos. 


Aquele consórcio estatal chinês já investiu cerca de 4.500 milhões de euros no Pireu e é candidato à compra de 67% do capital da Autoridade Portuária local. 


Questionado também sobre as expectativas de Pequim acerca da próxima cimeira União Europeia-China, na segunda-feira, em Bruxelas, o porta-voz do MNE chinês disse que a reunião "ampliará a compreensão mutua" e "irá forjar parcerias para novos avanços". 


Será a primeira cimeira desde que Jean-Claude Juncker assumiu a presidência da Comissão Europeia, sucedendo ao português José Manuel Barroso, e o ex-primeiro-ministro polaco Donald Tusk sucedeu a Herman van Rompuy no cargo de presidente do Conselho Europeu, no final do ano passado 


A União Europeia é o maior parceiro comercial da China, com um volume médio de transações superior a 1.000 milhões de euros por dia.


Lusa

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.