sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Princípio de acordo entre credores mas Grécia não cede

O primeiro-ministro grego e os credores internacionais chegaram esta manhã a um princípio de acordo entre as várias instituições credoras da Grécia, mas os gregos não terão aceite as condições da Comissão Europeia, do BCE e do FMI. Os documentos técnicos aprovados seguem agora para a reunião do Eurogrupo, para validação pelos ministros das Finanças da zona euro.

JULIEN WARNAND

O encontro teve início às 9:00 horas (10:00 horas em Lisboa) na sede da Comissão Europeia e nele participaram, além de Alexis Tsipras, os presidentes do executivo comunitário, Jean-Claude Juncker, do Banco Central Europeu (BCE, Mario Draghi, e do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, a diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, e o responsável pelo Mecanismo Europeu de Estabilidade, Klaus Regling. 

As mesmas personalidades reuniram-se por duas vezes na quarta-feira, sem que se tenha chegado a qualquer acordo sobre a entrega de uma parcela de 7,2 mil milhões de euros da ajuda externa à Grécia, ma próxima terça-feira, dia em que Atenas tem que pagar 1,6 mil milhões de euros de empréstimos ao FMI, sem que tenha dinheiro para isso. 

Os encontros multiplicam-se com o aproximar da hora do início da terceira reunião dos ministros das Finanças da zona euro, marcado para as 13:00 horas (14:00 horas em Lisboa). 


Com Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.