sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Syriza vai apelar ao "não" no referendo de 5 de julho

O Syriza vai apelar ao povo grego para que vote "não" no referendo de 5 de julho, sobre se deve, ou não, ser aceite o acordo com os credores internacionais, disse à Lusa fonte oficial do partido. 

Yorgos Karahalis

"O Syriza vai apelar ao voto não no referendo" e "estamos seguros que o povo grego vai tornar claro que não aceitará ultimatos da 'troika', mas em qualquer circunstância, seja qual for a decisão do povo grego, vamos respeitá-la e queremos sublinhar que a Europa é a nossa casa comum e que a Grécia sempre será parte da Europa", disse uma deputada do partido do Governo helénico. 

De acordo com a mesma fonte, "no dia 25 de janeiro a vontade do povo foi rejeitar o memorando da 'troika'".

"É por isso que perguntamos agora ao povo no referendo [de 05 de julho] se querem aceitar este acordo muito duro, que é contra o mandato que obtivemos no dia 25 de janeiro, ou se querem responder de uma forma democrática", disse.

O parlamento grego tem uma sessão extraordinária a partir das 12:00 (10: em Lisboa) de sábado "para discutir e pedir à aprovação desta proposta de referendo", revelou a mesma fonte.

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, anunciou esta noite a convocação de um referendo sobre se deve, ou não, ser aceite o acordo com os credores internacionais, segundo a televisão Skai TV, que cita fontes próximas do executivo.

A decisão surge depois de já esta noite o núcleo duro do executivo ter estado reunido depois de mais um dia de impasse nas negociações com os credores.

Para sábado, em Bruxelas está prevista mais uma reunião do Eurogrupo para as 14:00 (13:00 de Lisboa).

Este novo encontro dos ministros das Finanças da zona euro - o quarto na mesma semana e o quinto em dez dias - tem como objetivo chegar a um acordo com a Grécia quanto às medidas a adotar pelo país e acontece a três dias do final do prazo para Atenas pagar cerca de 1,6 mil milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional (FMI).

Segundo fontes diplomáticas, se houver acordo e se o parlamento grego passar as medidas no domingo ou na segunda-feira, serão desbloqueados imediatamente para a Grécia 1.800 milhões de euros de lucros que o Banco Central Europeu (BCE) fez com a dívida pública helénica, a tempo de Atenas pagar o dinheiro devido ao FMI, cujo prazo termina a 30 de junho, na terça-feira.

A proposta dos credores passa ainda por mais financiamento até novembro, mês até ao qual deverá ser estendido o atual programa de resgate.

No total, poderão ir para os cofres helénicos 15,5 mil milhões de euros nos próximos cinco meses, para fazer face às obrigações financeiras para com o FMI e o BCE, mas sendo a libertação desse dinheiro - que irá ser feita por 'tranches' - sempre condicionada à execução das medidas eventualmente acordadas.

Lusa
  • Como não perder Barack e Michelle Obama nas redes sociais

    Mundo

    Sair da Casa Branca implica mais que reunir objetos físicos: é preciso guardar também os tweets, os posts e todo o conteúdo digital produzido nos últimos oito anos pelo Presidente dos EUA e pela primeira-dama. A equipa de Barack Obama já preparou tudo para que nada se perca do seu legado digital.

  • Portugueses querem contratar Obama

    Mundo

    Contratar Barack Obama. Pode parecer uma tarefa impossível, mas para a startup portuguesa Swonkie a única resposta a este desafio é "Yes We Can", mote da campanha presidencial de Obama de há nove anos.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.