sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Varoufakis diz que Atenas e credores têm o dever de chegar a acordo

O ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis, considerou hoje à noite que a Grécia e os seus credores têm "o dever" de chegar a acordo no Eurogrupo, que se reúne no sábado, em Bruxelas. 

Geert Vanden Wijngaert

"Não há razão para que não haja acordo amanhã no Eurogrupo (que junta os ministros das Finanças da Zona Euro), temos o dever de encontrar uma solução", declarou Varoufakis, durante uma entrevista à cadeia de televisão Ant1, enquanto justificava a recusa grega da proposta dos credores durante a tarde de hoje. 

Sublinhou que a sugestão, feita por estes últimos, de entregarem 12 mil milhões de euros, em quatro prestações até ao final de novembro, "levaria a Grécia para mais quatro ou cinco meses de negociações diárias", situação que "significaria que toda a gente, empresários, consumidores, teria de esperar ainda por novembro ou dezembro". 

Ora, a economia grega já está muito enfraquecida pela incerteza que pesa sobre o futuro financeiro do país.

"Porquê deixar a grande questão do financiamento para o último minuto?", questionou, mas interrogando-se sobre a vontade real dos credores em chegar a acordo. 

"Nos últimos dias e nas últimas semanas, o governo grego fez concessões atrás de concessões. Infelizmente, de cada vez que atingíamos os três quartos ou quatro quintos do caminho, as instituições [Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional] iam no sentido inverso", acusou. 

"Elas endureciam as suas posições e exigiam coisas que só quem não quer um acordo pode exigir", considerou. 

Esta entrevista foi divulgada quando Varoufakis participava num conselho de ministros, com o primeiro-ministro, Alexis Tsipras, que continuava cerca das 22:30 de Lisboa.

À sua chegada, o ministro da Saúde, Panagiotis Kouroublis, também estimara que ia haver um acordo. 

A reunião do Eurogrupo, considerada de última instância, vai começar em Bruxelas, no sábado, às 13:00 de Lisboa.

Um acordo é imperativo para que a Grécia seja capaz de reembolsar um empréstimo de 1,5 mil milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional, em 30 de junho, e assim evitar uma situação de incumprimento. 

Lusa
  • Primeiro-ministro grego avisa que não aceita ultimatos
    2:25

    Crise na Grécia

    A poucas horas de mais um Eurogrupo, que pode ser decisivo para a Grécia, Tsipras avisa que não aceita ultimatos. Depois de se ter reunido com Angela Merkel e François Hollande, que o encorajaram a aceitar a última proposta dos credores, o primeiro-ministro grego diz que não cede a chantagens e que vai continuar a lutar pelos princípios democráticos e solidários que originaram a União Europeia.

  • Tsipras pressionado a aceitar acordo com credores
    1:05

    Crise na Grécia

    O primeiro-ministro grego Alexis Tsipras deverá ir até ao último minuto para tentar incluir no acordo condições mais favoráveis, incluindo a questão da reestruturação da dívida. Um acordo é essencial para resolver o problema de liquidez da Grécia. Fontes europeias dão conta que um entendimento pode abrir a porta à devolução de mais de 1800 milhões de euros dos lucros que o eurosistema fez com a dívida grega, em 2014, o suficiente para que Atenas não falhe o pagamento ao FMI na próxima terça-feira.

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.