sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Varoufakis diz que Atenas e credores têm o dever de chegar a acordo

O ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis, considerou hoje à noite que a Grécia e os seus credores têm "o dever" de chegar a acordo no Eurogrupo, que se reúne no sábado, em Bruxelas. 

Geert Vanden Wijngaert

"Não há razão para que não haja acordo amanhã no Eurogrupo (que junta os ministros das Finanças da Zona Euro), temos o dever de encontrar uma solução", declarou Varoufakis, durante uma entrevista à cadeia de televisão Ant1, enquanto justificava a recusa grega da proposta dos credores durante a tarde de hoje. 

Sublinhou que a sugestão, feita por estes últimos, de entregarem 12 mil milhões de euros, em quatro prestações até ao final de novembro, "levaria a Grécia para mais quatro ou cinco meses de negociações diárias", situação que "significaria que toda a gente, empresários, consumidores, teria de esperar ainda por novembro ou dezembro". 

Ora, a economia grega já está muito enfraquecida pela incerteza que pesa sobre o futuro financeiro do país.

"Porquê deixar a grande questão do financiamento para o último minuto?", questionou, mas interrogando-se sobre a vontade real dos credores em chegar a acordo. 

"Nos últimos dias e nas últimas semanas, o governo grego fez concessões atrás de concessões. Infelizmente, de cada vez que atingíamos os três quartos ou quatro quintos do caminho, as instituições [Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional] iam no sentido inverso", acusou. 

"Elas endureciam as suas posições e exigiam coisas que só quem não quer um acordo pode exigir", considerou. 

Esta entrevista foi divulgada quando Varoufakis participava num conselho de ministros, com o primeiro-ministro, Alexis Tsipras, que continuava cerca das 22:30 de Lisboa.

À sua chegada, o ministro da Saúde, Panagiotis Kouroublis, também estimara que ia haver um acordo. 

A reunião do Eurogrupo, considerada de última instância, vai começar em Bruxelas, no sábado, às 13:00 de Lisboa.

Um acordo é imperativo para que a Grécia seja capaz de reembolsar um empréstimo de 1,5 mil milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional, em 30 de junho, e assim evitar uma situação de incumprimento. 

Lusa
  • Primeiro-ministro grego avisa que não aceita ultimatos
    2:25

    Crise na Grécia

    A poucas horas de mais um Eurogrupo, que pode ser decisivo para a Grécia, Tsipras avisa que não aceita ultimatos. Depois de se ter reunido com Angela Merkel e François Hollande, que o encorajaram a aceitar a última proposta dos credores, o primeiro-ministro grego diz que não cede a chantagens e que vai continuar a lutar pelos princípios democráticos e solidários que originaram a União Europeia.

  • Tsipras pressionado a aceitar acordo com credores
    1:05

    Crise na Grécia

    O primeiro-ministro grego Alexis Tsipras deverá ir até ao último minuto para tentar incluir no acordo condições mais favoráveis, incluindo a questão da reestruturação da dívida. Um acordo é essencial para resolver o problema de liquidez da Grécia. Fontes europeias dão conta que um entendimento pode abrir a porta à devolução de mais de 1800 milhões de euros dos lucros que o eurosistema fez com a dívida grega, em 2014, o suficiente para que Atenas não falhe o pagamento ao FMI na próxima terça-feira.

  • Roger Moore, o ator que foi 007 e um Santo
    1:26

    Cultura

    Morreu Roger Moore. O ator britânico tinha 89 anos e morreu na Suíça, vítima de cancro. Ficou conhecido pelo mítico papel de James Bond entre os anos 70 e 80, tendo sido o ator que mais tempo se manteve no papel. Em 2003, foi condecorado pela rainha Isabel II e tornou-se Sir Roger Moore.

  • Ucrânia limita utilização do russo na televisão

    Mundo

    O Parlamento da Ucrânia aprovou esta terça-feira uma lei que determina que três quartos dos programas televisivos dos canais nacionais devem ser transmitidos em ucraniano, medida que visa limitar o uso da língua russa naquele país.