sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Conselho dos Governadores do BCE vai reunir-se "em devido tempo"

O Banco Central Europeu (BCE) anunciou hoje uma reunião do seu Conselho dos Governadores, que, segundo uma fonte bancária, se realizará no domingo, numa altura em que a Grécia se encaminha para uma situação de incumprimento.

© Alex Domanski / Reuters

"O Conselho dos Governadores do BCE vai reunir-se em devido tempo para discutir a situação", informou num breve comunicado a instituição, sem precisar uma data.

"O BCE segue com atenção os acontecimentos", adianta.

A reunião será "provavelmente" no domingo, disse à agência France Presse uma fonte do setor bancário, e deverá decorrer através do telefone.

O Conselho dos Governadores, que reúne os seis membros do diretório da instituição e os 19 governadores dos bancos centrais dos países da zona euro, toma, entre outras, as decisões sobre a manutenção dos bancos gregos à tona por empréstimos de emergência.

Mas a concessão desses empréstimos pode estar em causa, já que depende da existência de um programa de ajuda ao país em causa e da solvência dos bancos.

Nem uma nem outra das condições parecem estar reunidas hoje depois da zona euro ter indicado não estar pronta a prolongar o programa de ajuda à Grécia além do dia 30 de junho e de Atenas não ter aceitado as condições colocadas na sexta-feira para que houvesse um prolongamento.

Na sexta-feira à noite o Governo grego anunciou a realização de um referendo a 05 de julho, para que o povo grego decida se aceita, ou não, o acordo proposto pelos credores - Comissão Europeia, Fundo Monetário Internacional e BCE.

Lusa
  • "É um passo muito infeliz de tomar"
    1:08

    Crise na Grécia

    Em conferência de imprensa, o presidente da Eurogrupo confirmou a recusa da extensão do programa para lá de 30 de junho. Dijsselbloem foi claro, disse que a ajuda à Gécia termina na terça-feira à noite. Os gregos tinham pedido uma extensão para levar a cabo um referendo sobre o acordo com os credores, marcar para 5 de julho.

  • Presidente do Eurogrupo diz que Grécia fechou porta a negociações
    1:20

    Crise na Grécia

    O presidente do Eurogrupo diz que está muito surpreendido com esta decisão do governo grego. À entrada para a reunião com os ministros das Finanças, que decorre esta tarde, Jeroen Dusselbloem considerou que a Grécia fechou a porta às negociações ao convocar um referendo. Por sua vez, a diretora do FMI, Christine Lagarde, garante que vai continuar a trabalhar para encontrar um consenso.

  • Gregos divididos sobre referendo
    1:39

    Crise na Grécia

    O governo grego vai convocar um referendo sobre o acordo proposto pelos credores. A consulta popular deverá acontecer no dia 5 de julho. Esta manhã, em Atenas, voltaram a formar-se filas para levantar dinheiro dos bancos.

  • Polémica "Supernanny" em debate hoje na SIC
    2:25
  • Centeno aponta para a reforma e expansão do euro
    0:32

    Economia

    O ministro das Finanças português participa hoje na primeira reunião enquanto presidente do Eurogrupo. À entrada para o encontro dos ministros das Finanças da moeda única, Mário Centeno apontou a reforma do Euro como um dos principais desafios do mandato que agora inicia. 

  • Puigdemont chegou à Dinamarca e não foi detido

    Mundo

    A Justiça espanhola pediu à Dinamarca para ativar a ordem de detenção europeia contra Carles Puigdemont, que ignorou as ameaças de detenção e decidiu deslocar-se a Copenhaga para participar numa conferência. Entretanto na Catalunha, o presidente do parlamento propôs Puigdemont para voltar a dirigir o Governo Regional.

  • Eleição de Rio "embaraça" PCP e BE
    0:34

    Opinião

    Luís Marques Mendes considera que a eleição de Rui Rio veio criar embaraço ao PCP e Bloco de Esquerda. O comentador da SIC considera que a promessa de que venha a haver pactos de regime entre PS e PSD é motivo de preocupação para os parceiros do Governo.

    Luís Marques Mendes

  • O caso Assange é "um problema" para o Equador

    Mundo

    O Presidente equatoriano, Lenin Moreno, declarou no domingo que o asilo atribuído ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pela embaixada do Equador em Londres desde 2012 é "um problema herdado" que constitui "mais que um aborrecimento".