sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

BCE mantém torneira aberta à banca grega

O Banco Central Europeu decidiu hoje manter os empréstimos de emergência aos bancos gregos nos atuais níveis e o banco nacional grego comprometeu-se a adotar "todas as medidas necessárias para garantir a segurança financeira".

© Marko Djurica / Reuters

Em comunicado, o Banco Central Europeu (BCE) assegura que vai observar de perto a situação a Grécia. 

"Nas circunstâncias atuais, o Conselho de Governadores [do BCE] decidiu manter o teto máximo da linha de financiamento de emergência aos bancos gregos no nível decidido na sexta-feira", lê-se no comunicado.

O BCE abre a porta a uma solução política, para evitar a derrapagem da economia grega, apesar do fracasso das negociações, no sábado, em Bruxelas. 

Os bancos gregos continuarão, assim, sob supervisão internacional. Porém, o BCE avisa que está a examinar "com atenção a situação e suas potenciais implicações para a posição da política monetária".

No mesmo comunicado do BCE, o chefe do Banco da Grécia, Yannis Stournaras, garante que vai adotar "todas as medidas necessárias para garantir a segurança financeira para os cidadãos gregos nestas circunstâncias difíceis".

Os 25 membros do Conselho de Governadores do BCE, que hoje se reuniram, podiam ter fechado a torneira do financiamento aos bancos gregos, depois de o Eurogrupo ter decidido, no sábado, depois de cinco meses de negociações infrutíferas, deixar expirar o prazo de resgate da Grécia, que termina na terça-feira.

O Eurogrupo recusou dilatar o prazo, para esperar o resultado do referendo convocado pelo Governo grego para 05 de julho, no qual o povo grego será chamado a dizer se aceita ou não as condições dos credores internacionais para um acordo com Atenas.



Com Lusa
  • Souto de Moura feliz com distinção na Bienal de Arquitetura de Veneza
    1:10
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos. Depois de um curso intensivo de português durante três meses, os jovens vão iniciar o ano letivo em vários pontos do país.