sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

BCE mantém torneira aberta à banca grega

O Banco Central Europeu decidiu hoje manter os empréstimos de emergência aos bancos gregos nos atuais níveis e o banco nacional grego comprometeu-se a adotar "todas as medidas necessárias para garantir a segurança financeira".

© Marko Djurica / Reuters

Em comunicado, o Banco Central Europeu (BCE) assegura que vai observar de perto a situação a Grécia. 

"Nas circunstâncias atuais, o Conselho de Governadores [do BCE] decidiu manter o teto máximo da linha de financiamento de emergência aos bancos gregos no nível decidido na sexta-feira", lê-se no comunicado.

O BCE abre a porta a uma solução política, para evitar a derrapagem da economia grega, apesar do fracasso das negociações, no sábado, em Bruxelas. 

Os bancos gregos continuarão, assim, sob supervisão internacional. Porém, o BCE avisa que está a examinar "com atenção a situação e suas potenciais implicações para a posição da política monetária".

No mesmo comunicado do BCE, o chefe do Banco da Grécia, Yannis Stournaras, garante que vai adotar "todas as medidas necessárias para garantir a segurança financeira para os cidadãos gregos nestas circunstâncias difíceis".

Os 25 membros do Conselho de Governadores do BCE, que hoje se reuniram, podiam ter fechado a torneira do financiamento aos bancos gregos, depois de o Eurogrupo ter decidido, no sábado, depois de cinco meses de negociações infrutíferas, deixar expirar o prazo de resgate da Grécia, que termina na terça-feira.

O Eurogrupo recusou dilatar o prazo, para esperar o resultado do referendo convocado pelo Governo grego para 05 de julho, no qual o povo grego será chamado a dizer se aceita ou não as condições dos credores internacionais para um acordo com Atenas.



Com Lusa
  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalam-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.