sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

BCE mantém os empréstimos de emergência aos bancos gregos em 89 mil milhões de euros

O Banco Central Europeu (BCE) manteve hoje o patamar máximo de liquidez de emergência que os bancos gregos podem pedir a Frankfurt através do Banco da Grécia em 89 mil milhões de euros, informou um porta-voz da instituição.  

Thanassis Stavrakis

O Conselho de Governadores do BCE, composto pelos governadores dos bancos centrais dos 19 países da zona euro, reuniu-se hoje para discutir a assistência financeira à Grécia antes do referendo do próximo domingo e vai voltar a discutir a matéria na próxima segunda-feira, segundo a informação avançada pela agência de notícias espanhola EFE.

As entidades financeiras helénicas podem refinanciar-se com o programa de assistência de urgência de liquidez através do Banco da Grécia mas, em troca, têm que apresentar garantias, que são a dívida soberana grega e a dívida emitida pelos bancos do país com garantia estatal, cujo 'rating' (notação) foi novamente revisto em baixa pelas agências de notação financeira.

Apesar dos cortes de 'rating' recentes, e da situação de impasse que vive a Grécia, o BCE decidiu não aplicar cortes superiores ao valor da dívida grega ou garantida pelo Estado grego que os bancos apresentam como garantia.

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, anunciou hoje que vai manter o referendo à proposta dos credores agendado para 05 de julho e reiterou o apelo ao "não", garantindo que vai encontrar soluções após a consulta popular.

Numa mensagem à nação transmitida através da televisão, Tsipras reafirmou que os depósitos, pensões e salários dos gregos estão a salvo e que não tenciona levar o país a sair da zona euro.

Posteriormente, o presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, confirmou que não haverá mais conversações entre as instituições e as autoridades gregas nos próximos dias e que os ministros das Finanças da zona euro aguardam agora os resultados do referendo.

A Grécia entrou oficialmente em incumprimento depois de falhar o pagamento de um reembolso de 1,5 mil milhões de euros na terça-feira. Horas antes de o prazo terminar, Atenas apresentou um pedido ao Fundo Monetário Internacional (FMI) para um adiamento do pagamento previsto.

 

 

Lusa

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.