sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Tsipras mantém referendo e apela ao "não"

Em atualização

Tsipras mantém referendo e apela ao "não"

O primeiro-ministro grego anunciou hoje que mantém o referendo do próximo domingo, sobre as propostas dos credores. Numa declaração em direto na televisão pública, Alex Tsipras apelou o ao voto no "não", para um "melhor" acordo.

Numa mensagem à nação transmitida através da televisão, Tsipras reafirmou que os depósitos, pensões e salários dos gregos estão a salvo e que não tenciona levar o país a sair da zona euro.

O primeiro-ministro prometeu ainda que as dificuldades do povo grego serão "temporárias" e que votar "não" no referendo não significa a rutura com a Europa, mas sim um passo decisivo para conseguir um acordo melhor com os credores, que acusa de estarem a chantagear os cidadãos gregos. 

"Depois do referendo ser anunciado, recebemos propostas melhores, sobretudo no que diz respeito à reestruturação da dívida. Na segunda-feira [após o referendo], o governo estará à mesa das negociações com melhores condições para dar ao povo grego", escreveu entretanto na sua conta na rede social Twitter.

Tsipras salientou que um "veredito popular é muito mais forte do que a vontade do governo" e considerou "inaceitável que a Europa da solidariedade force o encerramento dos bancos como resposta à decisão do governo de deixar o povo decidir".

O primeiro-ministro dirigiu-se ainda aos pensionistas, garantindo: "temos estado nos últimos meses a negociar intensamente para proteger as vossas pensões, proteger o vosso direito a uma pensão decente".

A mensagem de Tsipras acontece depois de Atenas ter apresentado uma contraproposta para tentar alcançar um acordo. A carta dirigida por Tsipras aos chefes das três instituições (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional) sublinha que a Grécia "está preparada para aceitar o acordo" com algumas alterações.

 

EM ATUALIZAÇÃO

  • Pensionistas gregos queixam-se que dinheiro mal dá para sobreviver
    2:51

    Crise na Grécia

    Uma das medidas de austeridade mais polémicas é o corte nas pensões. Na Grécia, como em Portugal, os pensionistas e reformados queixam-se que o dinheiro já mal chega para sobreviver. Esta manhã, milhares de pensionistas voltaram a correr aos balcões dos bancos para tentar levantar mais algum dinheiro. A reportagem é dos enviados da SIC à Grécia, Anselmo Crespo e Rodrigo Lobo.

  • O que cede e o que exige agora a Grécia
    3:40

    Crise na Grécia

    A Grécia deu um passo atrás e aceitou muito do que até aqui tinha vindo a rejeitar, por parte dos credores. A partir de Atenas, o primeiro-ministro grego disse estar disposto a seguir a maior parte das propostas que lhe tinham sido apresentadas. Para esta tarde está marcada uma reunião do Eurogrupo, mas a Alemanha já avsiou que qualquer decisão só deve ser tomada depois do referendo de domingo.

  • Milhares manifestaram-se em Atenas a favor do "sim"
    1:39

    Crise na Grécia

    Milhares de pessoas participaram, ontem, numa manifestação em Atenas a favor do "sim" no referendo do próximo domingo. Os manifestantes contestaram o Governo de Alexis Tsypras e defendem que a Grécia deve aceitar os termos dos credores e medidas mais austeras para pagar a dívida.

  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • A Minha Outra Pátria
    29:53
  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24

    Economia

    Milhares de clientes da Caixa Geral de Depósitos (CGD), que até aqui estavam isentos de qualquer pagamento, vão começar a pagar quase 5 euros por mês por comissões de conta. A medida abrange também reformados e pensionistas e entra em vigor já em setembro. Ainda assim, os clientes com mais de 65 anos e uma pensão inferior a 835 euros por mês continuam isentos.

  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC