sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Grécia precisa de mais 36 mil milhões mesmo com o plano dos credores, alerta FMI

Mesmo se aprovar em referendo o plano dos credores internacionais, a Grécia precisa de um novo empréstimo de 36 mil milhões de euros por parte da União Europeia. A estimativa para os próximos três anos é feita pelo Fundo Monetário Internacional, que garante que a dinâmica da dívida pública grega é insustentável.

© Christian Hartmann / Reuters

"Em cima de uma já muito elevada dívida, as novas necessidades de financiamento tornam a dinâmica da dívida pública insustentável", afirma o Fundo Monetário Internacional (FMI), numa análise à sustentabilidade da dívida da Grécia que data de 26 de junho (dia do anúncio do referendo), mas que foi divulgada hoje.

Para a instituição liderada por Christine Lagarde, "para garantir que a dívida é sustentável, as políticas gregas vão ter de voltar ao caminho definido, mas também, pelo menos, as maturidades dos empréstimos europeus terão de ser estendidas significativamente", enquanto os novos financiamentos europeus, previstos para assegurar as necessidades de financiamento nos próximos anos, "terão de ser garantidos com base em termos concessionais semelhantes". 

No entanto, alerta o FMI, se o "pacote de reformas em consideração for ainda mais enfraquecido -- em particular através de uma redução das metas de excedentes orçamentais primários ou de reformas estruturais menos robustas -- vão ser necessários cortes ['haircut'] na dívida".

A instituição sediada em Washington lembra que numa análise realizada em maio do ano passado, a dívida pública da Grécia "estava a regressar ao caminho da sustentabilidade, embora permanecesse altamente vulnerável a choques".

"No final do verão de 2014, com as taxas de juro a descer, parecia que não seria necessário um alívio da dívida ao abrigo do acordo de novembro de 2012. Mas várias alterações nas políticas desde então -- além de um excedente orçamental primário e um esforço reformista mais fraco -- estão a criar novas necessidades de financiamento", explica o FMI. 

Estas necessidades, aponta a entidade no relatório, podem significar 50.000 milhões entre outubro de 2015 até ao final de 2018, requerendo "novo dinheiro europeu" de pelo menos 36.000 milhões durante esse período de três anos.

O relatório do Fundo foi divulgado numa altura em que os credores internacionais da Grécia decidiram adiar as negociações com o Governo grego para depois do resultado do referendo de domingo.

Os responsáveis pela análise lembram que depois da conclusão do documento, as autoridades gregas encerraram o setor bancário, impuseram um controlo de capitais (na segunda-feira) e não pagaram o reembolso de cerca de 1.500 milhões de euros devido até terça-feira passada, como previsto.

"Estes desenvolvimentos devem ter um impacto significativo e adverso na economia e nas finanças gregas que ainda não foi refletido nesta análise", salvaguardam. 

 

Com Lusa

  • Crise e impasse afastam turistas de Atenas
    2:40

    Crise na Grécia

    O turismo é um setor fundamental para a economia da Grécia. Só o ano passado visitaram este país cerca de 22 milhões de turistas. Mas a crise e as limitações aos levantamentos bancários estão a afastar de Atenas muitos turistas, este verão. A reportagem é dos enviados especiais à Grécia, Anselmo Crespo e Rodrigo Lobo.

  • Varoufakis diz que se demite no caso do "sim" vencer
    0:53

    Economia

    O ministro das Finanças grego vai demitir-se do cargo, caso o "sim" à troika vença o referendo. Numa entrevista à Bloomberg, Yanis Varoufakis foi claro e avisou que não está disposto a assinar o acordo. Garante que continuará a apoiar o Governo, mas no Parlamento, como deputado. Apesar do aviso, o ministro diz estar confiante na vitória do "não" às propostas dos credores.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.