sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Ramalho Eanes fala em "certa inexperiência" grega e "pesporrência" dos credores

O antigo Presidente da República Ramalho Eanes disse esta quinta-feira assistir com "profundo desgosto" à situação da Grécia, considerando que do lado grego "há uma certa inexperiência e um excesso de voluntarismo" e do outro lado "uma pesporrência".

Ramalho Eanes falava aos jornalistas no final de um encontro com apoiantes da candidatura de Sampaio da Nóvoa à Presidência da República, no Porto.

Ramalho Eanes falava aos jornalistas no final de um encontro com apoiantes da candidatura de Sampaio da Nóvoa à Presidência da República, no Porto.

Lusa

Ramalho Eanes falava aos jornalistas no final de um encontro com apoiantes da candidatura de Sampaio da Nóvoa à Presidência da República, no Porto, e questionado sobre a situação da Grécia disse assistir a este processo com "profundo desgosto" e "mágoa", afirmando que dos líderes dos órgãos da União Europeia, o único que lhe merece respeito é Juncker, presidente da Comissão Europeia.

"Por um lado, do lado da Grécia, há uma certa inexperiência e um excesso de voluntarismo. Do outro lado tem havido uma pesporrência e uma falta de respeito pelos grandes princípios que alicerçaram a União Europeia e que deviam constituir o cerne do projeto europeu que me impressionam", enfatizou.

Sobre a atuação dos líderes nacionais, o antigo Presidente da República disse não conseguir responder a essa pergunta porque não tem "conhecimento suficiente".

"Porque por um lado ouço dizer que têm sido mais papistas que o papa, por outro lado ouço dizer que têm sido moderados, que mais papistas que o papa têm sido os países bálticos. Eu não tenho dados que me permitam formular um juízo honesto e uma opinião segura", concluiu.

Anteriormente, também aos jornalistas, Sampaio da Nóvoa considerou muito preocupante a situação da Grécia e que aquilo que se está a viver "é uma corrosão dos princípios democráticos e das liberdades dos povos", confessando que esta não é a Europa com que a sua geração sonhou.

"Temos que ver e analisar isso com grande cuidado e seguir com grande preocupação. Mas devemos ter também muita prudência. Eu acho que esta é das alturas em que qualquer palavra que se diga, qualquer gesto deslocado, pode pôr em causa um projeto maior, que é o projeto europeu, no qual a minha geração se revê e no qual eu continuo a acreditar apesar de todos os problemas que vivemos nos dias de hoje", disse o candidato presidencial.

Sobre o motivo pelo qual apoia Sampaio da Nóvoa na corrida a Belém, Ramalho Eanes disse que na sua idade "há uma grande preocupação prudencial em relação às coisas públicas", garantindo que faz, sobre todas as decisões com caráter político, "uma profunda reflexão e um profundo exame".

"E foi essa reflexão e esse exame que me levaram a concluir que deveria apoiar o professor Nóvoa. E como já tive ocasião de dizer fui contra a opinião de muitos amigos meus que entendiam que eu não me devia pronunciar, que entendiam que eu não devia estar a investir um eventual prestígio que tivesse", confidenciou.

O antigo Presidente da República repete a pergunta que então fez: "O meu prestígio, no pouco tempo de vida que terei, para que é que serve senão para tentar ajudar, da melhor maneira que posso, o meu país?".

"Quando falo em ajudar o país é ajudar a que neste país os meus filhos, os meus netos, os seus filhos e os seus netos quando tiver, possam ser felizes", justificou.

Durante o discurso após o almoço, Ramalho Eanes tinha explicado que entende que o Presidente da República "deve ser um democrata" e um "homem que tem de amar verdadeiramente a liberdade não por razoes teóricas mas por razões éticas e de responsabilidade social mas sobretudo porque gosta das pessoas".

Para o antigo chefe de Estado, tem que ser "um homem que apoie todas as soluções que os portugueses democraticamente decidirem" e que tem a obrigação de colaborar com os governos sejam de direita ou de esquerda, desde que cumpram com o que prometem.

Lusa

  • Crise e impasse afastam turistas de Atenas
    2:40

    Crise na Grécia

    O turismo é um setor fundamental para a economia da Grécia. Só o ano passado visitaram este país cerca de 22 milhões de turistas. Mas a crise e as limitações aos levantamentos bancários estão a afastar de Atenas muitos turistas, este verão. A reportagem é dos enviados especiais à Grécia, Anselmo Crespo e Rodrigo Lobo.

  • Primeiro o referendo, depois o ajuste de contas

    António José Teixeira

    No meio de tanta incerteza, há uma previsão em que receio acertar. Seja qual for o resultado do referendo de domingo, admitindo que se realiza, a Grécia vai ser ainda mais penalizada do que já foi, o governo Syriza tem os dias contados e a Europa ficará mais fraca. As veleidades dos rebeldes terão o ajuste de contas devido. Tsipras e Varoufakis tinham, há muito, o destino traçado pelos credores, muitos também chamados de parceiros. Venceram eleições em nome da rejeição da receita da troika, agora chamada de instituições. Pois bem, ou se obrigavam a renegar-se por inteiro ou, mais tarde ou mais cedo, ficariam isolados e sairiam pela porta pequena. Dito de outro modo, ou cumprem as regras ou não há dinheiro.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.