sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Ramalho Eanes fala em "certa inexperiência" grega e "pesporrência" dos credores

O antigo Presidente da República Ramalho Eanes disse esta quinta-feira assistir com "profundo desgosto" à situação da Grécia, considerando que do lado grego "há uma certa inexperiência e um excesso de voluntarismo" e do outro lado "uma pesporrência".

Ramalho Eanes falava aos jornalistas no final de um encontro com apoiantes da candidatura de Sampaio da Nóvoa à Presidência da República, no Porto.

Ramalho Eanes falava aos jornalistas no final de um encontro com apoiantes da candidatura de Sampaio da Nóvoa à Presidência da República, no Porto.

Lusa

Ramalho Eanes falava aos jornalistas no final de um encontro com apoiantes da candidatura de Sampaio da Nóvoa à Presidência da República, no Porto, e questionado sobre a situação da Grécia disse assistir a este processo com "profundo desgosto" e "mágoa", afirmando que dos líderes dos órgãos da União Europeia, o único que lhe merece respeito é Juncker, presidente da Comissão Europeia.

"Por um lado, do lado da Grécia, há uma certa inexperiência e um excesso de voluntarismo. Do outro lado tem havido uma pesporrência e uma falta de respeito pelos grandes princípios que alicerçaram a União Europeia e que deviam constituir o cerne do projeto europeu que me impressionam", enfatizou.

Sobre a atuação dos líderes nacionais, o antigo Presidente da República disse não conseguir responder a essa pergunta porque não tem "conhecimento suficiente".

"Porque por um lado ouço dizer que têm sido mais papistas que o papa, por outro lado ouço dizer que têm sido moderados, que mais papistas que o papa têm sido os países bálticos. Eu não tenho dados que me permitam formular um juízo honesto e uma opinião segura", concluiu.

Anteriormente, também aos jornalistas, Sampaio da Nóvoa considerou muito preocupante a situação da Grécia e que aquilo que se está a viver "é uma corrosão dos princípios democráticos e das liberdades dos povos", confessando que esta não é a Europa com que a sua geração sonhou.

"Temos que ver e analisar isso com grande cuidado e seguir com grande preocupação. Mas devemos ter também muita prudência. Eu acho que esta é das alturas em que qualquer palavra que se diga, qualquer gesto deslocado, pode pôr em causa um projeto maior, que é o projeto europeu, no qual a minha geração se revê e no qual eu continuo a acreditar apesar de todos os problemas que vivemos nos dias de hoje", disse o candidato presidencial.

Sobre o motivo pelo qual apoia Sampaio da Nóvoa na corrida a Belém, Ramalho Eanes disse que na sua idade "há uma grande preocupação prudencial em relação às coisas públicas", garantindo que faz, sobre todas as decisões com caráter político, "uma profunda reflexão e um profundo exame".

"E foi essa reflexão e esse exame que me levaram a concluir que deveria apoiar o professor Nóvoa. E como já tive ocasião de dizer fui contra a opinião de muitos amigos meus que entendiam que eu não me devia pronunciar, que entendiam que eu não devia estar a investir um eventual prestígio que tivesse", confidenciou.

O antigo Presidente da República repete a pergunta que então fez: "O meu prestígio, no pouco tempo de vida que terei, para que é que serve senão para tentar ajudar, da melhor maneira que posso, o meu país?".

"Quando falo em ajudar o país é ajudar a que neste país os meus filhos, os meus netos, os seus filhos e os seus netos quando tiver, possam ser felizes", justificou.

Durante o discurso após o almoço, Ramalho Eanes tinha explicado que entende que o Presidente da República "deve ser um democrata" e um "homem que tem de amar verdadeiramente a liberdade não por razoes teóricas mas por razões éticas e de responsabilidade social mas sobretudo porque gosta das pessoas".

Para o antigo chefe de Estado, tem que ser "um homem que apoie todas as soluções que os portugueses democraticamente decidirem" e que tem a obrigação de colaborar com os governos sejam de direita ou de esquerda, desde que cumpram com o que prometem.

Lusa

  • Crise e impasse afastam turistas de Atenas
    2:40

    Crise na Grécia

    O turismo é um setor fundamental para a economia da Grécia. Só o ano passado visitaram este país cerca de 22 milhões de turistas. Mas a crise e as limitações aos levantamentos bancários estão a afastar de Atenas muitos turistas, este verão. A reportagem é dos enviados especiais à Grécia, Anselmo Crespo e Rodrigo Lobo.

  • Primeiro o referendo, depois o ajuste de contas

    António José Teixeira

    No meio de tanta incerteza, há uma previsão em que receio acertar. Seja qual for o resultado do referendo de domingo, admitindo que se realiza, a Grécia vai ser ainda mais penalizada do que já foi, o governo Syriza tem os dias contados e a Europa ficará mais fraca. As veleidades dos rebeldes terão o ajuste de contas devido. Tsipras e Varoufakis tinham, há muito, o destino traçado pelos credores, muitos também chamados de parceiros. Venceram eleições em nome da rejeição da receita da troika, agora chamada de instituições. Pois bem, ou se obrigavam a renegar-se por inteiro ou, mais tarde ou mais cedo, ficariam isolados e sairiam pela porta pequena. Dito de outro modo, ou cumprem as regras ou não há dinheiro.

  • Sismo de magnitude 4,0 provoca um morto em Nápoles

    Mundo

    Um sismo de magnitude 4,0 na escala de Richter atingiu esta segunda-feira a ilha de Ísquia no golfo de Nápoles, no mar Tirreno, no sul de Itália. De acordo com o jornal La Stampa uma mulher terá morrido e dois feridos estarão em perigo de vida.

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.