sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Tsipras volta atrás e diz que não aceitará cortes na Defesa

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, sublinhou esta quinta-feira que o seu Governo não aceitará cortes na despesa da Defesa, num recuo em relação ao que já tinha aceitado nas negociações com os credores internacionais.

O líder do Syriza frisou ainda que será o Governo a decidir onde está disposto a fazer os cortes orçamentais.

O líder do Syriza frisou ainda que será o Governo a decidir onde está disposto a fazer os cortes orçamentais.

© Yves Herman / Reuters

"Nem eu, nem o ministro da Defesa vamos aceitar cortes [na Defesa], reduções que estão concebidas para criar novas desigualdades dentro da sociedade e, em particular, não aceitaremos reduções das retribuições do pessoal das Forças Armadas", declarou hoje Tsipras perante oficiais do exército.

O chefe do executivo grego argumentou que se trata de questões que afetam "a essência da soberania nacional" e acrescentou: "Apesar de estarmos numa situação de dificuldade económica sem precedentes, devemos manter este núcleo da nossa soberania".

O líder do Syriza frisou ainda que será o Governo a decidir onde está disposto a fazer os cortes orçamentais. 

Tsipras fez estas declarações na presença do ministro da Defesa e líder do partido nacionalista Gregos Independentes, Panos Kamenos, que, noticiou hoje a imprensa local, o terá pressionado para recuar na cedência feita às instituições da 'troika' (Comissão Europeia, Banco Centra Europeu, Fundo Monetário Internacional) de cortar em 200 milhões de euros o orçamento da Defesa em 2016 e em 400 milhões no ano seguinte. 

Numa carta endereçada na terça-feira aos dirigentes dessas instituições, Tsipras aceitava a maioria das suas últimas propostas e cedia em algumas das medidas, entre as quais os cortes na Defesa. 

Os credores internacionais exigem que a Grécia corte 400 milhões de euros na despesa de Defesa a partir de 2016 e, ao princípio, o Governo de Atenas propunha cortar 200 milhões.

Antes da crise, a Grécia era o segundo Estado membro da NATO que proporcionalmente mais dinheiro gastava em Defesa (3,1% do seu Produto Interno Bruto), ficando apenas atrás dos Estados Unidos, uma despesa justificada pelos sucessivos Governos gregos com a vizinhança complicada que o país tem e, sobretudo, com a histórica inimizade com a Turquia. 

Embora tenha reduzido este montante para 2,1% do PIB, a Grécia continua a ser um dos países europeus com maior despesa militar.

Lusa

  • Sem acordo, Grécia vira atenções para o referendo de domingo
    1:45

    Economia

    Com a suspensão das negociações e sem um acordo para ultrapassar a crise na Grécia, as atenções viram-se para o referendo do próximo domingo. Depois de falar ao país, durante a tarde, Alexis Tsipras esteve reunido com o ministro das Finanças, Yanis Varoufakis, e também com o presidente do Banco Central grego.

  • Primeiro o referendo, depois o ajuste de contas

    António José Teixeira

    No meio de tanta incerteza, há uma previsão em que receio acertar. Seja qual for o resultado do referendo de domingo, admitindo que se realiza, a Grécia vai ser ainda mais penalizada do que já foi, o governo Syriza tem os dias contados e a Europa ficará mais fraca. As veleidades dos rebeldes terão o ajuste de contas devido. Tsipras e Varoufakis tinham, há muito, o destino traçado pelos credores, muitos também chamados de parceiros. Venceram eleições em nome da rejeição da receita da troika, agora chamada de instituições. Pois bem, ou se obrigavam a renegar-se por inteiro ou, mais tarde ou mais cedo, ficariam isolados e sairiam pela porta pequena. Dito de outro modo, ou cumprem as regras ou não há dinheiro.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • O Nokia 3310 está de volta
    1:16

    Economia

    A Nokia chegou a ser uma das maiores empresas do mundo devido ao fabrico de telemóveis. Caiu, mas acaba de fazer renascer um dos sucessos de vendas do início do milénio. O anúncio foi feito este domingo, em Barcelona.