sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Costa respeita soberania grega mas não comenta referendo

Costa respeita soberania grega mas não comenta referendo

O secretário-geral do PS, António Costa, assumiu uma posição de "estrito respeito" pela soberania grega e escusou-se a comentar o referendo de domingo.

Neste domingo, os gregos vão às urnas para responder, em referendo, se deverá ser aceite o projeto apresentado pela Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional no Eurogrupo de 25 de junho.

À margem de uma visita ao Túnel do Marão, obra que integra a Autoestrada do Marão que está em construção entre Amarante e Vila Real, o líder do PS foi questionado pelos jornalistas sobre o referendo grego.

"Se tivesse direito de voto não gostaria que quem não tem se pronunciasse como se o referendo fosse em Portugal. Não gostaria de ver os nacionais de outros países a dizerem como é que nós devíamos votar", salientou António Costa. 

 O secretário-geral do PS assumiu "uma posição de estrito respeito pela soberania nacional". 

"Como português gostava que tivessem os alemães ou os gregos a dizer como é que devem votar? Não gostava. Eu não gosto que façam aos outros o que não gosto que façam a mim", referiu.

Costa disse ainda respeitar aquilo que é a soberania da decisão do povo grego da mesma forma como já se respeitou, no passado, as decisões de outros referendos na Holanda ou França.

 

Lusa

  • A Verdade sobre a Mentira
    35:13
  • Elemento dos Super Dragões com medida de coação mais gravosa
    1:37

    Desporto

    Os seis arguidos da Operação Jogo Duplo, que investiga crimes de corrupção e viciação de resultados na II Liga de futebol, saíram em liberdade. A medida de coação mais gravosa é para um membro da claque Super Dragões, que terá de pagar uma caução de 5 mil euros.

  • Mais de 120 pessoas com hepatite A
    2:23

    País

    O surto de hepatite A já infetou 128 pessoas, 60 das quais estão internadas em hospitais de Lisboa e Coimbra. A Direção-Geral da saúde recomenda a vacinação apenas aos familiares dos doentes. Apesar de não haver ruptura de stocks, há farmácias que não têm vacinas.

  • Sobreviventes de Mossul relatam mutilações e execuções do Daesh
    1:32